segunda-feira, 24 de abril de 2017

Ventos que sopram do Porto Seco...


Por Israel Ávila 

Desde o dia 27 de Março, quando Porto Alegre conheceu a sua grande campeã do carnaval que o Complexo Cultural do Porto Seco está “sob descanso”, mas não em silêncio total. Obvio descanso é merecido a dirigentes, trabalhadores dos barracões e foliões que a duras custas colocaram suas escolas na avenida, e mesmo os que não colocaram já se “mexem” para 2018, afinal, o tempo que nos separa do carnaval que passou, até a próxima festa de momo é bem mais curto que o de costume.

Nas quadras, alguns pequenos movimentos quanto a escolhas temas enredo (apenas Bambas da Orgia e Acadêmicos da Orgia divulgaram seus temas) e eleições de executivas que devem ocorrer em Maio. Numa visão geral do carnaval quatro notícias representativas: A data do Estandarte de Ouro, a Band seguirá conosco na transmissão, já temos data para o carnaval 2018 e surge uma nova liga no carnaval de Porto Alegre.

A permanência da BAND na transmissão , é um ganho incontestável para arrancar um carnaval que deve ser totalmente independente. Ter uma televisão comprometida com a causa e que esteve em primeiro lugar na audiência durante a transmissão, certamente ajudará na captação de recursos, privados para que os patrocinadores se interessem mais pelo nosso produto, no caso o carnaval. Isso sem contar no excelente trabalho realizado pelos profissionais da emissora, que nem de perto lembram os sussurros dados pela antiga detentora dos direitos de imagem do carnaval, que lembrava das escolas de samba somente quando chegava fevereiro.

O Estandarte de Ouro marcado para 13 de Maio, ainda sem local definido (deverá ser fora do Porto Seco), trará além dos troféus, novidades sobre o carnaval 2018. Lá será o lançamento de todo o calendário oficial e também a renovação com alguns dos patrocinadores já acertados para a próxima festa de momo, além de ser divulgado em definitivo como ficará o formato (grupos) para o carnaval 2018.

Sobre a data do desfile, decidida pelo conselho de presidentes da LIESPA, vista de um ponto de atrativo para turistas de outros estados ficou coerente, e menos mal que ainda no mês de fevereiro, uma das grandes reclamações deste carnaval. Vale lembrar que é importante que tenhamos a TV junto da gente como foi este ano, e para a BAND do Rio Grande do Sul, será melhor que seja fora época, haja vista que em período oficial do carnaval a emissora nacional tradicionalmente foca no carnaval nordestino, como o da Bahia, por exemplo.

Segundo o presidente da LIESPA Juarez Gutierres de Souza, a data base do carnaval é 24 de Fevereiro (sábado, quando deve desfilar as escolas da Série Ouro). O que ficou acertado na verdade é o fim de semana em que aconteceria. Todos os demais eventos, como ensaios técnicos, desfiles da Série Bronze e Prata e apuração do carnaval devem girar em torno deste final de semana (23 e 24) e serão divulgados no dia 13 de Maio durante a Festa de premiação dos destaques do carnaval.


Uma nova liga no carnaval

Dentre as notícias do pós-carnaval uma delas é o surgimento da LIERGS – Liga Independente das Escolas de Samba do Rio Grande do Sul. A sigla já existente e reativada a pouco mais de um mês, tomou as redes sociais e logo lançou-se como novo modelo de fazer e pensar o carnaval. Segundo integrantes da entidade, ela não prevê um modelo presidencialista, por isso não há a figura central de um presidente e sim de secretarias e departamentos com cargos distintos.

Já na sua arrancada houve um desconforto com nomes que estavam em sua nominada, e segundo eles, não foram consultados para estarem ali. Fora isso, entidade segue fazendo reuniões com seus adeptos para afirmarem e determinarem  de que forma pretendem trabalhar no carnaval.

Segundo Alan Silva, Secretário de Organização e Administração da nova liga, a LIERGS foi criada para suprirmos uma lacuna sociopolítica. “Temos como finalidade precípua a tarefa de impulsionar e orientar nosso povo carnavalesco para a construção de uma nova realidade socioeconômica, através da arte cultural libertária e humana denominada carnaval. Tudo na clara perspectiva da construção de uma nova sociedade mais justa e igualitária, com distribuição de riquezas, plural e autônoma. Temos o conhecimento, a pluralidade e a diversidade como instrumentos indispensáveis para os avanços tão necessários nesta conjuntura adversa e desumana.” – disse Alan.

Sobre a nova liga, o presidente da LIESPA, atual gestora do carnaval, disse que se houver alguma pauta de interesses coletivos, poderá haver uma aproximação das partes, mas não vê isso para tão logo. De momento, o foco é sanar as lacunas de 2017, e focar no calendário de 2018.