sábado, 22 de abril de 2017

"Somos o carnaval da resistência" - Afirmam os dirigentes de São Leopoldo ao apresentar nova data para o seu carnaval

Foto: Evandro Oliveira PMPA

Por Israel Ávila

Várias informações, incertezas e manifestações (a maioria delas de insatisfação) rondam o carnaval de São Leopoldo, que já foi um dos maiores da região do Vale dos Sinos. A data para acontecer foi marcada e desmarcada inúmeras vezes e hoje, até o momento, está definida para que aconteça no dia 13 de Maio.

Talvez a coincidência com o dia da Abolição da Escravatura liberte o povo carnavalesco capilé da angustia e da falta de informações dos reais acontecimentos que rondam a folia de momo da cidade. Ao assumir o governo em Janeiro, o prefeito eleito Ary Vanazzi disse que era um compromisso o retorno de um bom carnaval na cidade, compromisso esse reafirmado pelo secretário de cultura Ismael Mendonça.

Várias reuniões foram feitas e a busca na captação para os recursos necessários começaram. Algumas datas foram marcadas e desmarcadas justamente pela falta de tempo hábil para esta captação. Em meio a isso, informações extra oficiais dão conta de que, após uma série de atropelos administrativos, a presidente da  Associação das entidades carnavalescas da cidade Eloisa Moraes pediu afastamento do cargo junto a outros diretores, sendo substituída pelo seu vice, Roberto Pinheiro, também presidente da Estação Primeira de São Leo, este fato não foi divulgado oficialmente pela associação, mas tomou forma como verdade nas redes sociais.

Mesmo com as dificuldades que bateram a porta, os presidentes da maioria das entidades não abrem mão de realizar seu desfile de forma competitiva, com regulamento enxuto. Não se sabe ao certo quanto e quando cada escola de samba irá receber, por enquanto, temos datas, e a esperança de que em meio a tudo isso, os carnavalescos de São Leopoldo tenham um carnaval digno e de muita alegria... como nos velhos e bons tempos!


Veja a seguir texto enviado ao Setor 1 por Ramão carnaval que explica, com aval dos presidentes, a situação do carnaval dita pelos seus organizadores:

O Carnaval de São Leopoldo resiste!

Por Ramão Carvalho

Os acontecimentos envolvendo o carnaval capilé, gentílico pelo qual os leopoldenses são historicamente conhecidos, estão tomando esferas nunca dantes vistas. Aliás, este ano de 2017 será um ano atípico para esta manifestação popular em todo o Brasil. A grave crise política tem massacrado a cultura e todos os seus segmentos, numa forma grotesca, por parte do governo federal e suas bases, de argumentar os cortes das parcas verbas destinadas ao carnaval, por exemplo, comparada aos bilhões e bilhões de dinheiro público desviado para particulares... Um assunto de extrema complexidade, onde faltam palavras para definir tamanha estapafúrdia... escrevi algumas linhas deste tema outro dia destes nas redes sociais.

Quanto a nossa cidade, somos sabedores de que nosso município, São Leopoldo, segue a mesma situação, e que, acumula dívidas altíssimas de outros governos, e para não ser diferente, o primeiro segmento a ter cortes na ajuda financeira é a cultura. Apesar de toda a ajuda e boa vontade do atual prefeito Ary Vanazzi, que apoia o carnaval, ele nada pode fazer via município, mas dispõem de estrutura para que seja viabilizado um projeto de captação de recursos na iniciativa privada para que aconteça o nosso carnaval com toda a dignidade e toda a magnitude de anos atrás...

Mas afinal, porque estou descrevendo todas estas informações?

Quero aqui, nestas breves palavras colocar você a par do que está ocorrendo e do movimento de resistência que está acontecendo no carnaval de São Leopoldo. As ações da Associação Carnavalesca e a união dos presidentes das Escolas de Samba se dão, para não deixar de fazer o desfile e ainda; de não realizar na configuração de uma “simples muamba”, como ocorreu no último carnaval de 2016. Diante dos fatos, como estou na atual posição de vice presidente da Escola de Samba Império do Sol posso, com propriedade, descrever em algumas linhas os acontecimentos, uma vez que participei na maioria das decisões do conselho de presidentes.

Tivemos uma troca de governo na cidade, onde a atual gestão sinalizou e acionou a comunidade carnavalesca para reativar o carnaval de rua. Com a crise política e financeira, o Secretário de Cultura honestamente informou que não dispunha de recursos e se dispôs, via projeto aprovado por Lei Federal, procurar apoiadores para patrocinar e financiar o projeto carnaval. Foram muitas negociações e visitas, desta forma as datas foram postergadas para que houvesse tempo hábil para a captação de recursos junto á iniciativa privada.

No meio do processo, algumas dificuldades somaram-se como questões de ordem organizacional na documentação de algumas entidades, e também, os patrocinadores pediram ajustes nos prazos e o evento foi sendo adiado. Com o pedido de afastamento da presidente Eloisa Morais, as escolas se uniram e tomaram a frente do processo para que o sonho do desfile oficial fosse possível de ocorrer na Avenida Dom João Becker. Com os últimos ajustes, chegamos às seguintes datas:

·         29/04/2017 Escolha da Rainha do Carnaval no Centro de Eventos.
·         07/05/2017 Mostra de Samba Enredo na Quadra do Império do Sol.
·         13/05/2017 Desfile Oficial na Avenida Dom João Becker.

Os presidentes de todas as Escolas de Samba e a Associação Carnavalesca de São Leopoldo convocam suas comunidades para participar das datas supracitadas, numa forma de reforçar o movimento de resistência da cultura popular, prestigiando as duas grandes festas onde haverá a escolha da soberana do carnaval e na Mostra dos Sambas das Escolas, além do grande espetáculo dos Desfiles das Escolas de Samba na Avenida Dom João Becker no dia 13 de maio.

Assinam e concordam com este esclarecimento os presidentes da Acadêmicos do Rio Branco, Império do Sol, Imperatriz Leopoldense, Estação Primeira de São Léo, Alambique Leopoldense, Imperadores do Sul e Academia de Samba da Zona Norte.