segunda-feira, 24 de abril de 2017

Novo Hamburgo: O carnaval da corda, da resistência e da alegria!


Por Israel Ávila 


Na noite de do último sábado (22), o carnaval de Novo Hamburgo deu um passa na “maquina do tempo” e voltou a 20 anos atrás, quando os carnavais ainda eram da corda, que dividia o público dos desfilantes, e aconteciam na Pedro Adams Filho, uma das principais avenidas da cidade, mesmo tendo adquirido sua pista de eventos.

Segundo a prefeitura, a mudança de local economizou cerca de 80 mil reais em infraestrutura, uma vez que não houve arquibancada nem camarotes, e também não teve bretes em sua totalidade.

Mas para o publico carente da festa popular na cidade o que menos importava era o local, aliás, alguns até preferem este formato, porque facilita o acesso com bebidas e petiscos trazidos de casa. O importante neste momento, era não deixar o samba morrer, E NÃO MORREU.

Império da São Jorge, Ai Vem os Marujos, Cruzeiro do Sul e Portela do Sul realizaram desfiles modestos, mas cumpriram seu papel no que se propõe uma escola de samba: repassar aos mais novos e até aos mais velhos que não conhecem, que carnaval também pode educar.

O Setor 1 esteve presente e registrou o evento, e deixa aqui seus parabéns aos foliões, desfilantes, dirigentes, e ao público hamburguense que mesmo com frio se manteve presente até o fim. Veja agora um resumo do desfile de cada entidade:

IMPÉRIO DA SÃO JORGE

A Império da São Jorge foi uma das entidades que mais demonstrou as dificuldades em realizar um carnaval sem recursos. A verde e rosa do bairro que da nome a escola fez um desfile com temática afro que não deixou de ser empolgante apesar do pouco número de integrantes, trazendo como destaque Robinho Sorriso no microfone número 1 e Mestre Boneco frente a sua bateria. Vários pavilhões entre estandartes e bandeiras giraram com a imagem do Santo Guerreiro símbolo da escola.



AI VEM OS MARUJOS

Uma das mais tradicionais escolas da Cidade, Ai Vem os Marujos foi a segunda a desfilar e trouxe para a avenida sua comunidade e sua alegria costumeira. Marisandra, a diretora de carnaval da escola, em outros anos porta estandarte conhecida da cidade, vinha logo frente a entidade coordenando a filha, que assumiu seu posto no pavilhão. Destaque também para o casal de mestre sala e porta bandeira Chuca e Paula Verônica, que não bailaram este ano na capital, mas desfraldaram lindamente o pavilhão da azul e branco de Novo Hamburgo.



CRUZEIRO DO SUL

A entidade do Bairro Primavera, caso tivesse sido um desfile competitivo, certamente hoje colheria os louros de campeão do carnaval. Cruzeiro do Sul realizou um desfile grandioso que contou com componentes muito bem vestidos e mostrou o trabalho desenvolvidos nos “famosos ensaios do Cruzeiro”. Com samba enredo reeditado, mas cantado com a mesma garra de um samba novo pelo intérprete Cesinha, ao invés de grandes nomes do carnaval, a escola oportunizou locais de destaques para integrantes da sua comunidade, o que tornou o desfile para o povo de Novo Hamburgo familiar e muito mais empolgante. Destaque para a Bateria de Mestre Cassinho, que vem já a algum tempo desenvolvendo um belo trabalho com os ritmistas da escola.



PORTELA DO SUL

A atual campeã do carnaval encerrou o desfile ao gritos de “O campeão Chegou...”. A animação do povo da Portela trazia na voz a garra de uma entidade que ficou sem quadra durante o ano, mas não deixou de produzir seu carnaval, mesmo com a dificuldade tendo batido a sua porta. Além de alas fantasiadas, trouxe projetos sociais e a torcida azul e branco do Novo Hamburgo para juntos “brincar” seu carnaval. No microfone número 1 a voz inconfundível de Renan Ludwig. Defendendo o pavilhão da Portela o casal Caio e Ana Marilda, ricamente vestidos, coroando e encerrando o desfile com chave de ouro. Outro destaque da escola é a comissão de frente, que tradicionalmente realiza um espetáculo a parte.