domingo, 16 de abril de 2017

João Boff deixa a Praiana


Por Israel Ávila 

Em nota endereçada a escola, o mestre sala João Boff desligou-se da Academia de Samba Praiana. Mesmo não tendo desfilado devido ao cancelamento do desfile da Série Prata, o casal João e Tairine, sua parceira, desenvolveu grande trabalho de ensaios e apresentações.

João Boff não era novo na escola, já defendeu por alguns anos o pavilhão verde e rosa. João é figura conhecida do carnaval, tendo passagens por Realeza, Real Academia de Samba, Praiana, Império da Zona Norte, Imperatriz Leopoldense, Protegidos da Princesa Isabel, Acadêmicos de Gravataí, Unidos de Vila Isabel e Estado Maior da Restinga, além de escolas do interior do estado.

Ele frisa que quem se despede da entidade é ele, e que Tairine segue defendendo o pavilhão verde e rosa da Padre Cacique. Segue a nota oficial de desligamento:

Porto Alegre 16 abril de 2017.

Venho por meio desta agradecer e oficializar meu desligamento do cargo de Mestre Sala da Academia de Samba Praiana.

O carnaval deste ano foi esplendoroso e cheio de alegrias. Não tenho palavras melhores que estas para descrever a honra que foi representar a querida e respeitada Academia de Samba Praiana. Através destas palavras, gostaria de demonstrar minha gratidão pela confiança depositada em meu trabalho por parte da diretoria, bateria, baianas, velha guarda e toda a nação praianense, que foi incrível e apoiou com muita garra em todos os momentos. Compromisso e respeito foram os símbolos máximo deste relacionamento que tivemos durante toda essa temporada, só me restam boas lembranças de todos os momentos! Despeço-me com a sensação de dever cumprido em relação ao propósito que fui direcionado, me entreguei e fiz o meu máximo para abrilhantar ainda mais o desfile da escola, que não houve por força maior.

Eis que nosso ciclo chegou ao fim. Espero ter deixado a todos os envolvidos lembranças especiais. Obrigado à presidente Ilsa Angonese, à diretoria, bateria, baianas, velha guarda e toda a e a todos os praianenses de coração.

João Boff