quarta-feira, 8 de março de 2017

"Tomara que eu esteja errado, mas ter o desfile será muito pior..." - Diz Silvio Oliveira


Por Israel Ávila 

O barracão de Bambas da Orgia foi o quarto a ser visitado pelo Setor 1 na última terça. Lá, o responsável pelas alegorias e pela parte artística da escola é um dos mais premiados carnavalescos do sul, Silvio Oliveira. No pré-carnaval Silvio foi um ferrenho defensor para que não houvesse desfiles, e ele reafirmou isso em cada minuto de entrevista.

Segundo ele, algumas pessoas acham que, caso não haja carnaval ele deixará de existir, e ele afirma o contrário: “Acredito que ter o desfile será muito pior... ai sim pode acabar!” – Exclama.

Com a decisão do desfile competitivo, Silvio está junto a cinco trabalhadores construindo as três alegorias mais um tripé da Azul e Branco da Voluntários da Pátria. Segundo ele, só 40% do trabalho está concluído do tema: “Num piscar de olhos tudo pode acontecer”, que promete mostrar as rápidas e diversas mudanças que podem ocorrer no mundo através do olhar.

“Já fizemos carnavais em situações muito piores, pois não havia o material da cadeia produtiva do carnaval, mas é importante ressaltar que este material não cobre a mão de obra dos profissionais. Não posso dar um rolo de tecido “pro cara” vir trabalhar pra mim a semana toda! A dificuldade maior ainda não chegou, porque há barracões que nem abriram suas portas ainda. Não há profissionais pra demanda de pressa que vai se instalar, e não há dinheiro pra pagar os profissionais. Este discurso que carnaval tem de ser feito a todo pano, sem recursos não existe. Vejo presidentes dizendo que antigamente já fizeram muitos carnavais sem dinheiro, de repente é por isso que nunca ganharam um carnaval!”

Questionado sobre a troca de escola entre as duas maiores rivalidades dentro da pista na história do carnaval ele exclama: “Carnaval é feito de apostas, e eu aposto em um bom desfile. Meu compromisso em estar à frente de Bambas da Orgia será honrado: a gente vai fazer, vamos desfilar e bem, eu garanto!”