quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Prefeitura de Sapiranga quer proibir escola de samba de realizar seu desfile

Em reunião em Janeiro Presidente Valter Pereira e prefeita tentaram chegar a um acordo, sem sucesso. 

Por Israel Ávila 


Quando achamos absurdos alguns casos que envolvem os carnavais de todo estado, sempre há algo que pode nos surpreender, como é o caso de Sapiranga, onde a prefeita Corinha Beatriz Molling (PP)  não só cancelou o repasse de verba como está proibindo a Guarda de trânsito municipal de fechar a avenida para que haja o carnaval na cidade, mesmo que seja sem recursos públicos.

O impasse começou quando o presidente da Unidos de Sapiranga, Valter Pereira, soube pelos jornais da cidade que não haveria carnaval, mesmo a escola estando em plena atividade e a prefeitura recebendo convites de todos os eventos realizados, tais como lançamento do tema e samba e ensaios que são feitos no Parque Municipal da cidade.

A escola também apresentou-se na maior festa do município, a Festa das Rosas, aplaudidos pela prefeita reeleita, inclusive com campanha por parte dos componentes da escola, e que na ocasião não demonstrou nenhuma negativa quanto a realização do evento.

Documento endereçado a Valter em resposta a protocolo solicitando avenida - Doc. Cedido pela Unidos de Sapiranga 

Ao saber via imprensa o presidente da entidade tentou negociar com a prefeitura uma ajuda de custo, o que não houve retorno. Após várias tentativas, ao conseguir uma agenda com a prefeita, a chefe do administrativo de Sapiranga disse que “tentaria ajudar”.

A partir dai foi uma série de negativas dos órgãos públicos que juntos tentam barrar o carnaval, marcado para o próximo sábado na Avenida Mauá.

Valter, que se dispôs a mesmo assim realizar o evento, sem repasse e sem aceno de patrocínio, teve também a negativa da Brigada Militar da cidade, procurando assim o Comando da Brigada Militar do estado que afirmou o dever deste órgão em prestar a segurança no município.

Com fantasias e segurança na mão, sobrou pra prefeitura somente fechar a rua para que a Unidos de Sapiranga e suas duas convidadas fizessem seus desfiles e, pasmem, a prefeita assinou um documento que diz em outras palavras que não quer aa realização do carnaval em Sapiranga nem no dia 25, nem em datas posteriores.

A Unidos de Sapiranga que tem protocolados vários pedidos para realizar seu desfile, diz que irá até o fim pois não estão realizando nada de errado, e que o que querem é ter o direito de COM SEUS RECURSOS usar uma via da cidade para festejar seu carnaval planejado a mais de 10 meses.

Segundo o presidente, caso não haja acordo a entidade entrará com recurso na justiça contra a prefeitura, baseada no artigo 166 das leis orgânicas do município que diz que é de obrigação da prefeitura proteger e fomentar atividades culturais de qualquer etnia.


O carnaval de Sapiranga está marcado para o dia 25, sábado agora, na Avenida Mauá e deve contar com os desfiles de Asas da Liberdade (Estância Velha), Cruzeiro do Sul (Novo Hamburgo) e da Unidos de Sapiranga, que a 14 anos realiza carnavais na cidade.