segunda-feira, 25 de julho de 2016

Negritude será cantada pela Dona Leopoldina em 2017


Já não é mais novidade para a comunidade carnavalesca que entre as linhas amarelas a escola de samba Imperatriz Dona Leopoldina falará sobre a comunidade negra e seus vultos aqui do estado dentro das contribuições no canto e na dança.

O tema enredo carrega o título “A Imperatriz canta e conta a negritude tchê!”. Segundo informações a decisão foi tomada em comum acordo com a comissão de carnaval da laranja, e que a idéia vinha amadurecendo desde o ano de 2010.

Fomos atrás de quem melhor poderia responder aquelas perguntas que todo amante da arte gostaria de fazer. Entramos em contato com o carnavalesco da escola Sandro Rauly que nos cedeu uma exclusiva para tratar da proposta da Dona Leopoldina. Convidamos você a nos acompanhar nesta entrevista: 

Perguntamos (S1) a Sandro Rauly como foi feita a escolha deste tema?

Sandro Rauly - A escolha do tema foi até bem tranqüila. A direção da escola tinha a consciência de que teria que ser um tema forte, de fácil entendimento e que desse para ser bem desenvolvido na questão plástica . Tivemos algumas sugestões de tema e no final a direção optou por esse tema.


S1 – Quem figurou com importância para a escolha do tema?

Rauly - a idéia inicial do tema é do presidente Vitor Hugo, e o desenvolvimento na questão da sinopse está a cargo do Maurício Nunes tendo também a minha colaboração.

S1 – Conte-nos mais sobre o desenvolvimento do tema enredo da coroada.

Rauly - O enfoque principal do enredo é exaltar a contribuição do negro no desenvolvimento do estado em vários segmentos como na questão da  religiosidade, nos esportes, na influência da culinária, nas artes (cinema, teatro, etc), na política, entre outros...

Iremos ter a participação de lideranças do movimento negro gaúcho. Enfim o enredo será uma grande celebração para cultura negra .

A idéia inicial de fazermos esse tema, como disse anteriormente, partiu do próprio presidente da escola o Vitor Hugo. E na qual o nosso diretor de carnaval Maurício Nunes foi amadurecendo a idéia e chegamos a conclusão que seria uma boa oportunidade focarmos a cultura negra em nosso enredo.

A comunidade há tempos estava pedindo um tema com uma pegada “afro”. E ficaram muito felizes com a escolha do tema.

S1 – Em quais itens da grande agremiação podemos esperar a assinatura de Sandro Rauly?

Rauly - Toda a questão plástica da escola é de minha responsabilidade. Toda a criação de figurino, de fantasias de alas, destaques e carros alegóricos... Confecção dos protótipos, toda cromia que será usada na escola, material que será utilizado... Enfim, toda parte plástica artística do desfile sou eu que desenvolvo juntamente com minha equipe de trabalho, até porque ninguém faz nada sozinho (risos).

S1 – Imperatriz Dona Leopoldina em 2017 por Sandro Rauly.

Rauly - Eu estou muito motivado com mais esse projeto para o carnaval da Imperatriz. Será o meu segundo carnaval na escola na qual fui muito bem recebido ano passado e tive toda a liberdade para desenvolver o carnaval da escola, no qual fomos campeões.

Para mim particularmente falando será um carnaval mais difícil de se executar, digo não pelo fato do tema, mas mais sim por querer fazer sempre o melhor desfile, visando buscar mais um campeonato para a escola .

S1 – O que a comunidade carnavalesca e a comunidade da Dona Leopoldina podem esperar para as apresentações?

Rauly – Quero fazer mais um grande carnaval para esta comunidade que me recebeu super bem no carnaval passado.

Vocês podem esperar mais um grandioso, lindo e emocionante desfile da escola. Eu conto com o apoio e a participação de toda a diretoria e nossa comunidade para juntos alcançarmos mais uma vez o nosso Grande objetivo que é o Campeonato no carnaval de 2017.

Imagem: correio do povo
S1 – Como foi esta transição entre as agremiações da capital e a chegada na sede da atual campeã?

Rauly - Para mim foi até um pouco surpresa por eu estar vindo de outra escola também de comunidade (foram 5 carnavais seguidos na Vila Isabel)... Me transferi para a Leopoldina e no meu primeiro carnaval na escola já fui campeão. Nossa foi muito emocionante! Ainda mais pela receptividade que eu tive na escola, e ver a alegria e felicidade deles com a conquista do campeonato nossa essas coisas são muito gratificantes.

S1 – Sabemos da importância do trabalho em equipe. E por se tratar de uma temática carregada de dificuldades e detalhes minuciosos quem são os anteparos para este longo trabalho até a avenida em 2017?

Rauly É muito importante ter uma comissão de carnaval por que dessa forma o carnavalesco não fica sobrecarregado de funções. No carnaval passado já tivemos essa experiência e vimos que deu certo!

Na escola temos uma Comissão de Carnaval que é composta pelo Diretor de Carnaval (Maurício Nunes), O Diretor de Harmonia Geral (André Nunes), Sandro Rauly (Carnavalesco). Estamos estudando outros nomes que possam vir a fazer parte da nossa comissão, tudo com o real intuito de buscar sempre o melhor para a Imperatriz.


Encerramos esta entrevista mais uma vez agradecendo o carnavalesco Sandro Rauly pelo espaço cedido em sua agenda.

Para quem ainda não tinha esta informação, Sandro Rauly participa da comissão de organização do evento de abertura e encerramento das Olimpíadas Rio 2016, e nos figurinos apresentados teremos a assinatura do grande mestre.

Resumindo, a negritude terá seu espaço perpetuado na passarela do samba em 2017. Os vultos e contos serão cantados e enaltecidos nos versos do seu samba enredo... Sua história retratada com muita alegria e guiados pelo ritmo da  Laranja Mecânica.

Toda a elegância e um carnaval de extremo impacto! 

A majestosa coroada, Imperatriz Dona Leopoldina promete um grande trabalho. Aguardemos os próximos capítulos...