domingo, 26 de junho de 2016

Hoje tem samba no céu... O adeus a Moura do Cavaco

  
O dia amanheceu assim, céu limpo entre poucas nuvens, um belo dia de Domingo... Para o bom sambista o dia chega rompendo suas primeiras horas com certo pesar e meio acinzentadas.

Infelizmente nem só de boas notícias está encarregado este veículo de comunicação. Informamos que, nesta manhã (26) faleceu o sambista Morenci da Silva Teixeira. Ele estava internado no Hospital Centenário na cidade de São Leopoldo. As causas do óbito, segundo informações, foram consequência de um infarto e um AVC (acidente vascular cerebral) em decorrência de um câncer no reto já em estágio avançado.

 Ainda não sabemos informações a respeito do velório e enterro desta grande personalidade. Tão logo saibamos, informaremos através de nossa FanPage no Facebook. (LINK)


SIMPLESMENTE MOURA...


Moura de Xangô, Moura do Cavaco, Moura da Saldanha, Moura do Pagode do Dorinho, Menestrel Maldito ou simplesmente Moura... Independente de como o chamam, sua vida inteira esteve atrelada a alegria de viver e ao maior dos prazeres que nos une - o rei samba.

Neste momento, o Setor 1 presta uma singela homenagem a este monstro das tradições sambistas.

Moura nasceu na cidade de Rio Grande, no ano de 1944. Foi criado na vila do Cedro, onde todos os moradores reuniam-se para apreciar um bom samba, ainda menino e muito curioso, gostava de ouvir os mais velhos, e então eis que veio o despertar! A vontade de aprender a tocar.

O primeiro instrumento que dominou foi o Pandeiro, logo após o violão. Aos 13 anos começou a participar das rodas de samba, e desde então nunca mais parou: “Nasci no samba e essa é a minha paixão”

Em Novembro de 1963 após servir o quartel, Moura muda-se para a capital. Com muita facilidade para fazer amizades, foi logo se entrosando com o pessoal que fazia um samba por aqui, as amizades conquistadas perduram até hoje. Sua trajetória dentro da música ensinou-lhe que a humildade é o ponto de partida para tudo nessa vida. Moura gostava muito do som do cavaquinho, e achava bacana um instrumento de tanta importância, ser tão pequeno, então, resolveu aprender a tocar, e foi aí que percebeu que a sua verdadeira paixão era o cavaquinho, nasce então o Moura do Cavaco.

Em 1975 fundou o Grupo Tempero do Samba, que embalou as noites da Capital, participou do Grupo Pagode do Dorinho ao lado de seus amigos Cleber e Everton. Não podemos deixar de falar da tamanha paixão pela Imperadores do Samba, conheceu a escola através de seu irmão Ademir Cavalo, que foi passista então conhecia muitos personagens do carnaval de Porto Alegre. Em um determinado dia Moura foi encontrar seu irmão na quadra da Imperadores, Moura relata que ao chegar na quadra logo sentiu uma boa vibração, e começou a participar da escola. A paixão pelo carnaval na sua vida fora uma explosão . Seu coração estava marcado a partir desta de vermellho e branco e o rugido dos leões seu maior hino.


Em 1982 Moura do Cavaco ficou conhecido como “O Editor Maldito”, pois o mesmo havia criado o famoso FOLHETIM DO ZAIRE, que tinha com o objetivo informar o pessoal do que estava acontecendo no mundo do samba e destacar figuras novas. Moura sempre teve um olhar crítico sobre as coisas, e por isso foi lhe dado esse codinome.

Ficou conhecido por muitas pessoas e cada vez mais evidenciado. No Ano de 1985 veio um convite inesperado. O falecido Betinho que na época era presidente da Imperadores o convidou para ser diretor de harmonia da escola, e com muito orgulho e amor o grande Moura abraçou a causa. Devido alguns desentendimentos internos ele afastou-se. Mas o amor pela nação Vermelho e Branco permanece até os dias de hoje. Ao longo de sua caminhada no mundo da música Moura foi aprendendo a tocar os inúmeros instrumentos, e dando uns toques para a moçada que dava início a carreira na vertente do samba.

Sua irreverência e competência já não cabiam mais nas fronteiras rio-grandenses. Ele fora diversas vezes convidado de honra das apresentações da Banda da Saldanha na cidade maravilhosa.

Quem aqui nunca o encontrou em um samba? Ou nos ensaio da vida... Sua risada alegre e vibrante (mesmo sem os dentes) contagiava a todos ao seu redor. O legítimo retrato de amante da vida...

Como todo bom sambista que já partiu Moura certamente senta praça na casa do Pai Celestial neste dia. Seus familiares, amigos e sambistas que daqui partiram preparam o maior de todos os sambas no além-mundo.

Todo guerreiro merece seu descanso... Vá em paz grande amigo Moura!

Nós da família Setor 1 prestamos nossa singela homenagem a você mestre Moura. O que cabe a nós no momento é agradecer por tudo que fizeste e por toda sua entrega ao samba e ao carnaval, aprendemos com você que quando se faz por amor os louros colhidos são os melhores, e a é vitória certa. Obrigado! Obrigado!Obrigado... 

OBRIGADO DO FUNDO DO NOSSO QUINTAL!