terça-feira, 3 de maio de 2016

Raquel Nunes sendo tão Raquel Nunes!


No geral não costumamos fazer o que iremos fazer agora. Não anunciamos renovações, pois estas deveriam ser naturais. Nesta postagem não estaremos dizendo somente que Raquel Nunes segue a frente dos ritmistas do Imperadores do Samba, mas sim, nas palavras da própria Raquel, um exemplo de gratidão, apaixonada pela sua escola, amor pelo carnaval e sinceridade com as palavras.

Amada Raquel, como iniciamos escrevendo, não costumamos fazer isso, mas vamos aqui reproduzir tuas palavras, dita na tua rede social, para de uma forma simples te homenagear pelo ser humano que tu és, e principalmente, para que seja tomada de exemplo! O Setor 1 tudo te aplaudi de pé!

Segue as palavras de Raquel Nunes em sua Rede Social:


Meu nome é Raquel Nunes, tenho 35 anos, e estou à frente da Bateria Sinfônica há 10 anos.
Mas, você pode me chamar simplesmente de Dinda.
Quero começar este post fazendo um agradecimento:
Nego Urso e Kauby, por terem conduzido, de forma brilhante, nossa sinfônica no momento mais triste e delicado que atravessamos. Sei que não foi tarefa fácil substituir nosso Diretor. Quando o mar precisou de vocês, vocês estavam lá. Meus eternos agradecimentos!

Com o coração calmo quero anunciar ao nosso amado e querido mundo carnavalesco, em especial, aos torcedores de Imperadores do Samba, que sigo como Dinda dos meus “Cheiros”, da minha maior paixão: a Sinfônica Vermelho e Branco. 

Serão mais dois anos, dentro da gestão do Presidente Rodrigo Costa e de sua Diretoria, em que representarei a bateria e honrarei meu amado Pavilhão. Mas, não cheguei até aqui sozinha. Tantas outras madrinhas me antecederam: Fernanda, Nice, Silvia, Carla. E elas merecem todo o meu respeito e admiração, bem como todos os baluartes que trabalharam, sem medir esforços, para que nossa escola, a Resistência do Samba, crescesse e se tornasse multicampeã do carnaval da Capital do Gaúchos.

Madrinha de Bateria não pontua. Não é quesito. Não precisa ter samba no pé.Não é passista. Ela só precisa ter “presença”. Mas, esta presença jamais deverá ofuscar, como diz a marrom Alcione, “o coração da escola”, ou seja, a bateria. Assim fui ensinada e é assim que deve ser.

A madrinha deve conhecer seus ritmistas um por um. Ajudar nos seus problemas, comemorar seus triunfos, chorar nas suas tristezas e dar gargalhada nas horas felizes. Estar sempre presente em qualquer ocasião: aniversários, casamentos, batizados, formaturas e até naquele churrasco sem nenhum propósito específico mas que reúne todos na quadra. 

No fundo, a madrinha de bateria carrega um pouco do DNA daquela sua parente distante: a fada madrinha !!

Meus cheiros, é por vocês que estou ali na frente. É por vocês toda a correria e sacrifício. A minha felicidade é a felicidade de vocês. Nestes 10 anos, já passamos por poucas e boas juntos. Perdemos nosso Mestre e líder, Alessandro Brinco, e tantos ritmistas queridos. Porém, tivemos que recolher nossos pedaços e seguir adiante. Não somente por nós.Mas por nosso Mar.

Meus afilhados, quero que saibam que seguirei sendo a mesma Dinda de sempre: maluca, apaixonada, gritona, preocupada, chorona e imensamente feliz.

E com muito respeito desejo as boas vindas aos novos ritmistas da Sinfônica que irão agregar com Dedicação e Respeito à nossa Bateria e também ao novo Diretor Jr Aruanda.
"...Não basta dizer em vão,que és Imperador até morrer..."