segunda-feira, 18 de abril de 2016

Através de sua rede social, Adilson Soares despede-se de Bambas da Orgia

Por Israel Avila 


Após muitos carnavais, o premiado passista Adilson Soares despede-se de Bambas da Orgia. Adilson fez historia na escola, além de ter passagens por Império da Zona Norte e diversas escolas do Interior do estado de onde coleciona prêmios. Os motivos e os agradecimentos ele expõe em texto em sua rede social, que você lê na integra:


Então! 15 desfiles e muita história pra contar... E quem diria que o menino que dançava nos "inferninhos" do centro seria o passista de uma das nossa grandes escolas de samba... Com muito orgulho fui segundo passista por um ano e logo no próximo assumi o cargo de primeiro. Se ninguém foi mais feliz por estas avenidas eu não sei! Mas tenho a plena certeza de que eu fui.. E muito feliz! A maior recompensa para mim é o reconhecimento da comunidade carnavalesca, e quando falo nisto não me refiro aos prêmios e troféus que tenho na estante da minha sala, mas sim o carinho que eu tenho de uma nação inteira, e não é só lá dentro da escola! Não é novidade para ninguém, pois antes mesmo do desfile eu já havia dito q meu ciclo se encerrava por aqui! Se tem início e fim, minha imensa jornada encerrou. Motivos? Tenho vários kkk Não cabem a mim falar... Os incomodados que se retirem! Tenho berço, que me ensinou e ensina até hoje ser homem e ter verdade em tudo que eu faço. Não vou me despedir, pois eu tenho muito ainda a fazer, principalmente na dança. Não vou parar por aqui com o meu talento e a minha trajetória dentro da dança, no qual eu dedico uma boa parte da minha vida e meu tempo, a 17 anos... Continuarei trabalhando arduamente e com inovação, me atualizando, estudando no mundo da dança, no qual esse mundo está em constante mudança e evolução, para poder passar adiante aos novos talentos do nosso carnaval. Estarei engajado em projetos sociais, principalmente ao 1° projeto de passistas de Porto Alegre, Projeto Eu Sou O Samba. Nada fica para sempre, gerações passam por outras gerações, e se tiver que ter “novos Adilson”, que eu tenha uma parcela de aprendizado e formação, que eu possa fazer parte disso. Pois só aprende e consequentemente cresce, aquele que tem a humildade de querer aprender e respeita a estrada de quem já a mesma trilhou.