quarta-feira, 16 de março de 2016

Thiaguinho mendonça: o beija-flor do RioSamba


"BUM bum, BUM bum, BUM bum"                
Ouve-se pela primeira vez a marcação da bateria. É magia, é arrepio sem explicação é paixão que virou religião. 

Os olhos brilham, fascinam, se perdem, não piscam... 
São as fantasias, luxo, brilho, movimentos  e arquiteturas de abismar e se questionar "como é possível !?" 

Alegria nos sorrisos, movimentos convidativos, gingado característico de uma geração de bambas, alegria nas pernas, no requebrado, no quadril... 

Passistas riscam e requebram transformando seus corpos em um instrumento símbolo do samba. 


Enamorados em movimentos que os tornam um, cumplicidade que conquista, elegância e reverência que os tornam reis, transformando samba-enredo em dança de modo hipnotizante, representantes da história de honra de uma comunidade, guardiões de uma cultura, defensores de uma arte, A NOBRE ARTE... 

Cresci ouvindo o batucar da bateria, sempre à distância, fui apresentado ao samba em 2003, comecei onde o amor é  a explicação por estarem ali, desfilei por três anos nas alas de comunidade. Vi a necessidade de me movimentar ainda mais e fui aprender a arte do malandro, entrei pra ala de passistas, vesti azul em Nilópolis, defendi o samba pelo Rio, pelo Brasil, e pela América do Sul, desfilei de terno, panamá e sapato verde e rosa. Fiz shows, musicais, programas de tv,  filme "Bollywoodiano", até me tornar professor e sindicalizado. O destino me levou a ensinar e a coreografar alunos dentro do samba, em pouco tempo me tornei coreógrafo de comissão de frente, já tendo feito Ballet e Jazz coloquei em prática movimentos que traduziam o samba.  


A curiosidade me leva a continuar a aprender, e fui apenas ver como casais se tornam um ser mágico em movimentos aleatórios e sincronizados. Final de 2010, Marquês de Sapucaí, Manuel Dionísio... Dei meu primeiro cortejo, risquei e juntei as experiências vividas no carnaval. Tornei-me mestre-sala... 

Me tornei defensor, guardião de uma cultura no ano de 2011, GRES Mocidade Unida de Jacarepaguá, GRES Difícil É O NOME em 2012, Rio de Janeiro e seus estados, Minas Gerais, Brasília, e desde o início inseparavelmente GRES Renascer de Jacarepaguá com muito orgulho, passei pela Intendente Magalhães, Marquês de Sapucaí, grupo de acesso, série A, grupo Especial, cheguei  a Majestade do Samba, onde  tive  a honra de defender o segundo pavilhão da Águia de Madureira, “Orgulhosamente a Portela”, ganhei conhecimentos, experiências, amigos  e nessa pequena trajetória ganhei prêmios, em notas 10. 

Hoje sou defensor de uma cultura, bailarino da Nobre Arte, sou o vermelho e branco de Jacarepaguá... 

Muito prazer... 

Thiaguinho Mendonça