segunda-feira, 28 de março de 2016

Destaques da Vida: Paula Verônica

Foto: Reprodução de arquivo pessoal 

Estamos aqui para falar da nossa Série: DESTAQUES DA VIDA E DO CARNAVAL. Hoje escolhi uma pessoa mais que conhecida e merecedora desta matéria, por nos brindar com seu talento e amor tantos carnavais... PAULA VERÔNICA ZYLBERSZTEJN, tem 44 anos, é servidora pública onde cumpre uma jornada de tempo integral. Cursa Serviço Social, é casada há 03 anos. Seu marido, WILLIAM ALEXANDRE FARIAS, foi da comissão de frente da Imperadores do Samba na década de 90, escola onde Paula iniciou acompanhada de sua mãe .
          Paula relembra que em 1987, foi seu 1º desfile como componente (escondida de seu pai). Ela ainda nos conta que dançava com um cabo de vassoura, junto com Alexandre Barbosa, já sonhando em ser porta bandeira. Agradece a Saionara Pontes, ao grande Mestre Sala Zé Cartola e o eterno João Aruanda por ter tido sua oportunidade. Em 1988 ela estreava como 3ª porta bandeira na Imperadores, e relata que estudava pela manhã, a tarde era monitora da creche da própria Imperadores e a noite ajudava na alfabetização de adultos, também dentro da vermelho e branco da Padre Cacique.
          Em 1989, Paula estreava o posto de 1ª Bandeira na Academia de Samba Praiana, ao lado do Mestre Sala Tadeu Pé de Vento. Retornou aos Imperadores para ser porta estandarte, de onde anos após seria a primeira porta bandeira. Teve passagens por varias Agremiações (União da Vila do IAPI, Os Filhos da Candinha, mocidade Independente da Lomba do Pinheiro, Estado Maior da Restinga, Copacabana, Acadêmicos de Gravataí, Imperatriz Dona Leopoldina, Unidos do Guajuviras, Imperatriz Leopoldense e Academia de Samba Puro).
              De 2012 a 2016, foi Vice Presidente da Associação de Moradores da Vila Brasília. É Diretora de Eventos da UDESCA e faz parte do PROJETO ESPORTE DA SAMBA desde sua fundação. Sua religião é de matriz africana, filha de XAPANÃ, ressalta que  é em sua fé que encontra forças para o dia a dia e tem a religião como seu alicerce.
               Para Paula, o Carnaval representa um grito de liberdade, pois é nesta festa que libertamos nossos mais oprimidos desejos. Ela diz ainda que a Cultura Popular Carnaval é a linguagem do povo, pois não importando classe social, credo ou etnia. Nossa Porta Bandeira ,finaliza dizendo : - "A AVENIDA É O NOSSO MAIOR PALCO TEATRAL ONDE CADA UM DE NÓS É UM ARTISTA E TEM  SEU LUGAR DE ATUAÇÃO".