quarta-feira, 30 de março de 2016

Carnaval X Quimbanda


Olá leitores do Setor 1. Em primeiro lugar quero agradecer o espaço para poder compartilhar um pouco do meu conhecimento como religioso com vocês. E hoje quero falar de um assunto que gera contradições nas rodas de conversa.

Bom, vamos a origem e ao princípio.

sabemos que carnaval e uma festa que é marcada pelo adeus a carne, e que a partir dela, se fazia um grande período de abstinência,  jejum, para sua preparação.  Havia uma grande concentração de festejos populares, e cada lugar brincava do seu modo, geralmente de uma forma propositalmente extravagante de acordo com seus costumes.

Agora vamos lá, QUIMBANDA! O que é? É um conceito religioso de origem afro brasileira presente na umbanda, ainda controverso quanto a sua real definição. Na atualidade por vez e classificada como religião autônoma e é identificada por alguns como o lado negativo da umbanda, e que tem todo conhecimento do mundo astral inclusive da magia negra.  São também conhecidos como povo da rua.
Eu como Alagbe ou tamboreiro, como muitos chamam, toco muito para quimbanda, tenho até CD gravado com pontos de exus e pomba giras. Vejo que hoje em dia a uma mera semelhança entre carnaval e a quimbanda, esta feita pelos adeptos mais recentes deste culto, e muitas vezes criticada pelos antigos.

Neste ano o Salgueiro, por exemplo, levou os exus para a avenida como tema, mas será que podemos levar o carnaval para dentro de nossos terreiros? O carnaval permite tudo, é um grande teatro a céu aberto, mas nossos terreiros não são palco para fingir personagens, e sim um espaço de professar nossa fé.

Exus fizeram a festa na Sapucaí, e nos terreiros? 

Quero deixar claro que não estou criticando ninguém, mas hoje vejo pombas giras com verdadeiras alegorias, saias de armações do tamanho das saias da porta bandeira das escolas de samba, plumas e faisões como decoração e tem até casos de baterias de escola de samba fazendo participação especial em festa religiosa.

Eu particularmente não tenho nada contra. Na casa do João manda João e na casa do Zé manda o Zé!!
Tenho muitos amigos que são intérpretes e integrantes de baterias de escola de samba e também são tamboreiros. Às vezes, não são profissional, mas gostam de tocar o tambor que não deixa de ser um instrumento de percussão, assim como os do carnaval.

A minha preocupação é... que carnaval e uma festa e quimbanda e uma religião! Jamais podemos trocar estes fatores e inverter a ordem dos verdadeiros princípios de cada um. No mais, vamos festejar!!

Por hoje é só, meus amigos. Espero que tenham curtido! Semana que vem eu volto, asé odara pra todos vocês!