terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Que rei sou eu?

Entrevista na Rádio Gaúcha "embaralhou" o novo rei - Foto Liespa

Acredito que nem a Eleição de um novo Papa deu tanto “ibope” quanto as primeiras horas de Mauricio Caetano Melo Aguiar como o novo Rei Momo de Porto Alegre. Uma rejeição pouco vista nos últimos tempos em um concurso carnavalesco.

No geral, sempre há aquele desconforto com as candidatas vencedoras, normal em qualquer concurso onde o objetivo é ganhar, mas desta vez até a própria corte (rainha e princesas) foram abafadas pela enxurrada de acusações ao novo rei da folia em redes sociais, dita pelo povo para qual o novo rei vai “governar”, o povo carnavalesco.

Sabia-se que não seria fácil ser sucessor de Fábio Verçosa, que fez um reinado inigualável, levando o carnaval a todos os eventos sociais e de cunho solidário, mostrando que nossa festa pode ter “vida após fevereiro!”.

Entre as tantas reivindicações contra o novo rei, existem envolvimento com irregularidades políticas, falta de conhecimento da cultura carnavalesca (talvez por isso não tenha representado nenhuma entidade), e até que o mesmo não teria o ensino médio completo.

Verdade ou mentira, em sua primeira aparição o Rei Mauricio Mello, em entrevista a Rádio Gaúcha, demostrou seu despreparo e sua falta de conhecimento carnavalesco chamando o seu antecessor de Cláudio Verçosa, ao invés de Fábio.

Coincidência ou não, no dia do concurso a comissão organizadora informou algo que não era previsto, Porto Alegre teria um vice-rei momo, talvez por prever que o rei “sem bandeira” não iria muito longe.

Mas enquanto todos veem a parte ruim da consagração erronia do rei momo atrapalhado, eu prefiro ver o lado de que o povo do carnaval acordou! Quem sabe possamos enxergar os caciques, pajés, líderes e “falsos militantes” que também estão em lugares errados, assim como o Rei Maurício.

Se seguirmos acomodados, e com estômagos fortes, que digerem a tudo que nos é apresentado, certamente teremos novos representantes despreparados e sem conhecimento algum de causa, afinal, cada súdito tem o rei que merece!