segunda-feira, 30 de novembro de 2015

O que aconteceu no 1º Seminário do Quesito Mestre Sala e Porta Bandeira

Nos dias 21 e 22 de novembro de 2015, aconteceu em Porto Alegre o 1º Seminário sobre o Quesito Mestre Sala e Porta Bandeira: “A DANÇA NOBRE DO CARNAVAL: Estrutura e Qualidade”, idealizado e desenvolvido pela Escola de Mestre Sala, Porta Bandeira e Porta Estandarte Padedê do Samba, e teve como objetivo avaliar, refletir e conscientizar os participantes sobre a importância do quesito, e de toda a estrutura que a ele se faz necessária, e de tudo o que interfere nas atividades do quesito mestre sala e porta bandeira. O propósito foi o de integrar saberes, melhorar as condições de trabalho dos nobres casais, colaborar para a harmonia geral da escola e compartilhar experiências gaúchas e cariocas.

Como o conteúdo deste Seminário foi denso, pois houve diversas palestras, contendo cada uma gama de informações, vou dividir aqui alguns textos em tempos diferentes, para deglutirmos e para você leitor, apreciar e conhecer um pouquinho mais deste tradicional, complexo e belo quesito. Para iniciar, vou trazer uma visão macro do que foram estes dois dias e os conteúdos abordados nas apresentações.


O encontro foi pensado e idealizado no formato de Seminário, uma vez que o propósito era de levar as informações até o público, através das experiências e vivências de pessoas conhecedoras e capacitadas no assunto e de formar opinião acerca do quesito. Estava criado um momento importante também para levantar problemas e sugerir soluções sobre os diversos aspectos que compõem este segmento das escolas de samba.

O seminário promoveu nestes dois dias de estudos, palestras abertas também ao publico em geral que tivesse interesse de conhecer as características do assunto, uma vez que colaboram, e muito, para a realização das atividades do casal. Vale comentar que nenhum dirigente compareceu, e que alguns diretores por lá compareceram como Erico Leoti, dos Imperadores do Samba e Mário Jeferson, da Samba Puro. Ao final das apresentações e palestras, os participantes escritos puderam tirar dúvidas e solicitar esclarecimentos, baseados na experiência dos palestrantes.

Foi um momento importante e quem foi, pode verificar que este importante Quesito Mestre Sala e Porta Bandeira é permeado de muita história, de cultura, de ancestralidade, de magia e de muitos significados. Necessário se faz um entendimento daqueles que dançam, dos que acompanham, coordenam, administram e julgam este quesito.

Os palestrantes que por lá estiveram puderam nos remeter à fantástica construção não só de um quesito em si, que tem toda uma formação ao longo do tempo, mas de que há um todo, uma magnificência incomparável girando em torno... Por favor, desculpem o meu entusiasmo, mas foi o que senti participando e assistindo, e, acredito que quem compareceu também pode perceber [claro que, comparado ao número de dirigentes, de casais e das direções de harmonia geral que existem no carnaval, pode-se dizer que havia lá uma resumida população]... mas como diz a frase pronta: “quem não foi perdeu”... Perdeu de vivenciar as experiências do preparador de casais do Rio de Janeiro, do mestre sala e diretor da Escola de Casais do Rio de Janeiro, da Professora e Doutora Eliane Santos Souza, também carioca e da campeoníssima gaúcha Isabel Cristina.


Quem por lá esteve pode refletir que só dançar não basta; quem quer saber deste quesito, deve conhecer as suas origens, os seus meandros, os pormenores, os seus preceitos, dogmas e significados... e foi isso que o Seminário proporcionou; estudar o quesito, entender suas origens, seus signos, pois o objetivo deste encontro era de verificar e estudar a estrutura e a qualidade do nobre bailado.

No início, sábado pela manhã, este que vos escreve, trouxe algumas reflexões sobre a história do casal... as possíveis origens, todas as influências que configuraram na formação e na estrutura do par, bem como dos significados de tudo o que envolve o casal de mestre sala e porta bandeira.

O carioca José Bonifácio Júnior, o Boni, nos brindou também com uma visão histórica, desde o surgimento das sociedades até os dias atuais, falou da conduta, do posicionamento, de etiqueta, do comportamento, das ritualísticas e de tudo o que um casal deve fazer, visando a melhoria constante e para a qualidade do trabalho do casal... Após o carioca Claudio Dominicina; o Claudinho, mestre sala, Diretor de Harmonia Geral, Instrutor e Diretor da Escola Mestre Dionisio do Rio de Janeiro, falou sobre a evolução do casal na pista, as configurações e exemplos de como ocorre o desenrolar de um desfile. Pautou muito da importância da Harmonia Geral na condução do casal e o quanto a Coordenação pode interferir no trabalho do casal, na evolução da escola e no todo da apresentação e do espetáculo.

No domingo, a Professora e Doutora Eliane Santos Souza, do Rio de Janeiro, em sua brilhante explanação, nos colocou em transe, transcorrendo de elementos da formação histórica e dos signos representativos que culminaram na dança do casal, da “evolução” desta dança em relação a parte técnica, das vestimentas, coreografia e usos, porém, manteve uma atmosfera ritualística, dando conta dos segredos ocultos e da mística que envolve a dança do casal.

Isabel Cristina, gaúcha consagrada na condução de importantes pavilhões do carnaval de Porto Alegre, demonstrou algumas características do Regulamento e do Manual de Julgamento do quesito e demonstrou o seu trabalho como Jurada e depois, apresentou seu trabalho pioneiro como Coordenadora dos jurados do quesito mestre sala e porta bandeira em São Paulo.

Encerrando o Seminário, o mestre sala Chula e a porta bandeira Priscila Abreu, deram uma contribuição muito importante para o carnaval, além de sua dança, eles contaram sua trajetória e das muitas experiências e situações que um casal se submete... Trouxeram vivências desde que formaram o par primeiro dos Imperadores do Samba e de algumas situações inusitadas durante este tempo juntos, enfim, outro momento único!

Este pequeno resumo dá a ideia da dimensão que foram estes dois dias. Em breve, vou escrever mais um pouco sobre este, que considero um grande evento para o Quesito Mestre Sala e Porta Bandeira no nosso Estado, para o carnaval de Porto Alegre e para o Carnaval gaúcho. Aproveito e reforço o agradecimento à Presidente Simone Ribeiro e também à todos que ajudaram de alguma forma, como ao Delegado Cleiton, a instrutora Denise Nogueira, ao conselho de alunos, que “meteram a mão na massa”: Tairine Machado, Alisson Prado e Ângelo Cesar de Jesus, que tornaram este evento possível.

Mais uma vez: Obrigado por este momento!
Até a próxima.

Ramão Carvalho.