segunda-feira, 15 de junho de 2015

"Não adianta comprometer 20 ou 30 % do seu cachê com apenas um quesito" - Diz Girozinho em palestra do CETE



Por Ramão Carvalho
Fotos e texto


O Mestre de Cerimônias, Gerson Brisolara agradeceu as presenças, e anunciou a os vencedores do Troféu que premiou os melhores enredos nas cidades onde a equipe do CETE julgou os carnavais.

O CETE também homenageou os representantes das entidades organizadoras do carnaval das cidades onde trabalhou, como as Ligas e Associações carnavalescas de Arroio do Sal, Alvorada, Novo Hamburgo, Cruz Alta, Rio Grande, Santana do Livramento, Santa Maria, Santo Ângelo e São Gabriel.

Houve homenagens às lideranças religiosas que viabilizaram a realização da comemoração do Dia Nacional do Samba em Porto Alegre: uma cerimônia inter-religiosa, realizada na Igreja Nossa Senhora das Dores, no centro de Porto Alegre, que aconteceu no dia dois de dezembro de 2014. Receberam o troféu “PERSONALIDADE”: Padre Luís Carlos Almeida, pároco da igreja Nossa Senhora das Dores e Clovis Alberto Oliveira de Souza, o Pai Clovis de Xangô, conselheiro-geral do Conselho Estadual da Umbanda e dos Cultos Afro-Brasileiros.

Houve também a homenagem especial para algumas das personalidades por sua contribuição e relevância para o carnaval:

- ADOLFO GIRÓ, presidente de honra da Embaixadores do Ritmo.
- ONIRA PEREIRA, porta-estandarte.
- ARYZINHO, intérprete e compositor.
- ODIR FERREIRA, radialista e locutor oficial do carnaval.
- FÁBIO VERÇOZA, Rei Momo do carnaval de Porto Alegre.

Após breve intervalo, aconteceu a Palestra com Gustavo Giró, o Girózinho, como é bem mais conhecido,com o assunto central voltado para a "Gestão em Escola de Samba".

A Palestra de Gustavo Giró foi pautada de esclarecimentos sobre a gestão de sua escola de samba em comparação às demais.  Utilizando-se de sua vasta experiência carnavalesca, foi introduzindo o assunto sobre a gestão do carnaval da Embaixadores do Ritmo. Mostrou ao público presente a fórmula utilizada para realizar os seus desfiles num formato diferenciado da maioria das escolas co-irmãs. Relatou também as dificuldades e dos meandros sobre a execução do seu desfile para o carnaval de 2015.


Apresentou o formato que vem desenvolvendo, esclareceu também que tem um barracão atuante e remunerado ao logo do ano. Ressaltou que experimentou, testou e comprovou com números a fórmula de comprar materiais (fantasias e alegorias) de cidades como São Paulo e Rio de Janeiro e adequá-las em seu enredo, e está convencido de que esta fórmula rende bons desfiles na questão plástica, ficando a preocupação em trabalhar os quesitos para o carnaval competitivo.

O público numeroso fez diversas perguntas para Gustavo Giró. Uma delas referente a melhorias dos desfiles e também de qual seria a receita utilizada para qualificar e melhorar o carnaval. Girózinho disse que:

“[...]... estão se desenhando algumas alternativas, mas que muito precisa ser modificado e melhorado... os dirigentes têm de pensar em algumas alternativas diferenciadas... [...]... por outro lado o público e os carnavalescos tem que pensar e valorizar os desfiles das escolas, parar de brigar para levar suas bebidas nos desfiles, pagar ingresso, o público precisa lotar as arquibancadas... [...] só assim vamos poder vender o ‘produto carnaval’ e atrair patrocinadores para aumentar a verba para as escolas... tudo é uma consequência... [...]”.

Sobre o Porto Seco. Após alguns questionamentos sobre os acontecimentos do carnaval, entre outras questões, surgiu a pergunta ligada a transferência do sambódromo do centro da cidade para o Porto Seco. Giró esclareceu que foi realizado o que era apropriado na época, e que não havia alternativas, não tinham locais e não havia apoio político. Instigado, ele provocou a plateia dizendo que na época – assim como nos dias atuais – não existem lideranças políticas a favor do carnaval e que o povo carnavalesco precisa eleger seus representantes antes de só se queixar...


Sobre a transmissão TV. Houve também perguntas relativas à transmissão da televisão, que no ano passado deixou de transmitir os desfiles de carnaval devido à baixa qualidade de alguns desfiles do grupo Especial. Muitos são os motivos, alguns ligam ao repasse de verbas, da falta de sustentabilidade das agremiações e ao grande número de escolas de samba... Girózinho disse que estamos vivendo outra realidade e que as escolas devem encarar com mais seriedade este momento, que as escolas devem se adequar ao tamanho do carnaval...

“[...]... não tem segredo, não adianta comprometer 20 ou 30 por cento do seu cachê com apenas um quesito... não adianta prometer um dinheiro a um destaque ou intérprete que você não vai cumprir ou não vai pagar... as escolas estão endividadas... estão na justiça... a escola tem que se adequar, tem que diminuir o numero de alas e alegorias, para ela vir bonita, compacta... [...]”


Girózinho esclareceu também que o trabalho da sua Embaixadores do Ritmo vem sendo planejado há algum tempo e que a escola começou a realizar este formato de trabalho por volta de 10 anos. Apresentou os números do carnaval passado. Mostrou as receitas e como ele administrou os recursos e o planejamento do seu carnaval. Ele mostrou que teve um lucro razoável e que este dinheiro que “sobrou” está sendo utilizado na confecção das fantasias e que a primeira alegoria já está sendo construída.