sexta-feira, 8 de maio de 2015

O que vi nas... “Festas do Interior”...



             Olá setoristas, espero que estejam todos muito bem, já se preparando para o Carnaval 2016.

             Mas não é que até o mês passado ainda respirava-se carnaval por aí, nas passarelas pelo interior do estado?  Siiiim, estive em Rio Grande no início de Abril, participando da festa de momo daquela cidade, última desse ano em todo o território nacional.

             Por intermédio do CETE (Centro de Estudos e Pesquisas de Temas Enredo e Memória do Carnaval), esse ano participei dos carnavais de Livramento, Santa Maria e Rio Grande. Grandes festas, em que a paixão do povo pelo carnaval foi tão latente que fiquei aliviado e com a feliz sensação de que o carnaval não está acabando... ele pode estar apenas se “reinventando”.

            Muita gente feliz, apaixonada e comprometida com essa paixão corre quente em nossas veias.
            Jovens!  Muuuita gente jovem. Certeza da continuidade. Principalmente em Livramento. Que maravilha! As escolas tomadas por adolescentes. E todos cantando! Fiquei feliz e surpreso (não estava mais acostumado com isso, já que aqui na capital, a maioria dos “desfilantes” canta pouco o samba de sua escola).


            E lá não são somente as alas que cantam muito. O público canta tudo também. E não só o samba da escola de coração. O povo da arquibancada se diverte e canta todos os sambas que passam na avenida. Provando que lá (que delícia) acontecem muitos ensaios. Não se ensaia só um dia, ou dois na semana. Não! Há muito ensaio na cidade. Que coisa boa né? Folia, cultura e diversão pro povo! Este sim teria que ser o real motivo do carnaval como um todo.

           As baterias em Livramento também estão cada vez mais contagiantes (é o segundo ano que vou àquele carnaval).

         Outro ponto forte no Interior são as comissões de frente. A maioria composta por jovens e todas teatralizadas e bem ensaiadas, complementadas com elementos cênicos (tripés, etc.) que passariam tranquilamente nos desfiles do Grupo Especial no Porto Seco sem deixar a desejar.

        As torcidas na arquibancada em Santa Maria são uma coisa de louco! Lindo de se ver. Só isso já faz valer a ida até lá.

        Rio Grande tem um grande carnavalesco à frente de tudo. Chico Santos! Sim, o canário tão premiado nos desfiles de outrora aqui na capital, usa sua experiência pra organizar o carnaval daquela cidade.  A nota triste fica por conta da morte de um dos intérpretes em pleno desfile. Mas se não temos como remediar e driblar a morte... Só podemos lamentar muito.  

         Claro que ainda existem falhas, erros ingênuos na organização e montagem das escolas. A parte musical principalmente deve ser olhada com mais carinho, mas nada que tire o brilho que foram as noites de festa pelo interior . Vale muito a pena conferir!

        Um super abraço a todas as equipes organizadoras desses eventos pela receptividade e carinho com que trataram o povo do CETE. Um agradecimento especial à Nara (Livramento) pela paciência e presteza que teve nesse dois anos que ficou responsável por nos atender, não só na passarela, mas durante todas as horas do dia, nos dias que ficamos na cidade.

O futuro do carnaval está à salvo meu povo! E pelo interior,está  muito mais apaixonante!

Abraço Astral em geral e ó... fuuuuuuuuui !!