quarta-feira, 15 de abril de 2015

Perfil: Nian Vieira


Nome: Orãnian Vieira ( Nian)

Idade: 24 anos

Naturalidade: Porto Alegre

Função no carnaval: Ritmista          

Profissão:
Técnico em Logística

Religião: Aquela dos Oríxas

Estado Civil: (   )Solteiro   (    )casado   ( x ) namorando  (   ) enrolado   (    ) a procura


Escola que começou:
Imperadores do Samba

Escola por onde passou: Imperadores do Samba, Império de Casa Verde e Unidos de Vila Maria

Escola que está: Império de Casa Verde e Unidos de Vila Maria

Escola do coração: Imperadores do Samba, Império de Casa Verde e Acadêmicos do Salgueiro

Se não ocupasse a função que ocupa no carnaval, o que você seria? : Gostaria muito de ser Carnavalesco mais não tenho habilidades para atuar nesta função. Porém também gostaria de trabalhar na direção de alguma bateria ou atuar na harmonia geral de alguma escola.

Profissional do carnaval gaúcho que você admira: Roberto Corrêa Bastos, o saudoso Betinho

Um carnaval inesquecível: Imperadores do Samba 1998 – Por ter ser meu primeiro carnaval com direito a um belíssimo samba e um Tetra Campeonato. Imperadores do Samba – 2008 Apesar do trágico desfile e uma colocação muito ruim tive a oportunidade de junto aos meus pais desenvolver o enredo do minha Escola de coração, com 17 anos de idade.  Império de Casa Verde e Unidos de Vila Maria- 2014 – Por ter a oportunidade de ritmar em duas grandes baterias de São Paulo.

Uma palavra: Respeito

Um sonho: Concluir o Ensino Superior e ser para meu filho o que meu pai e minha mãe são pra mim.

Um programa de TV: Samba na Gamboa 

Um filme: 12 anos de escravidão

Um amigo ou amiga: Meu cumpadre Fael e meu tudão Etiene

Uma música: Sinuca de bico – Serginho Miriti

Um defeito: Sinceridade

Uma qualidade: Responsabilidade

O que você vê de certo no carnaval: A tentativa nem que de forma lenta de renovação em diversos seguimentos dentro das escolas em geral. E a paixão do povo carnavalesco que mesmo com a descrédito da festa continua segurando a bandeira.


O que você vê de errado no carnaval: Primeiramente! Sair do centro já foi um erro! Mais na minha simples visão o que mais está equivocado no nosso Carnaval estão nas atuais políticas de Gestão de alguns Presidentes do nosso Carnaval. Nossa folia não cresce penso que devido a falta de vontade, descaso, falta de comprometimento de muitos Gestores do nosso Carnaval. Não podemos estar no ano de 2015 e existir presidente que não paga seu contratado. Escola entrar na avenida sem chapéu sem sapato. Falta organização e administração. Outro fato que me incomoda demais no nosso atual carnaval é a falta de identidade nas escolas, em poucas olhamos e podemos observar uma concepção de fazer o carnaval e destaques identificados com suas respectivas escola. Mais o fato mais lamentável é o descaso do Poder Público com o nosso carnaval e com o Porto Seco, lá se vão onze anos de promessas e nada, falta incentivo. Mas fico pensando que se o Porto Seco estivesse concluído com as arquibancadas e camarotes fixos e nós com nossos atuais Gestores nosso Carnaval estaria diferente? Acho que não ficaria na mesma situação! Se o povo carnavalesco quer mudança não reclame, entre na sua escola e se associe, seja sócio faça sua parte e mude, porque nosso carnaval necessita de gente nova com novas ideias.


Uma história de carnaval: O carnaval de 2002 foi marcante para essa cidade! Me lembro que estava eu lá com meus onze anos de idade, na Avenida  Padre Cacique 1567 quadra dos Imperadores do Samba quando à tarde passou pela atual Avenida Beira Rio vindo do Estaleiro Só talvez o mais magnífico abre alas que esta escola havia visto. Um gigante leão africano, com dentes que brilhavam, e eu como criança nunca me esqueci daquele momento. Esse mesmo carro de dimensões avantajadas veio a quebrar e retornou ao Estaleiro Só, lá foi “consertado” e levado novamente para a Avenida Augusto de Carvalho. Nesse dia me lembro do abre alas da Restinga passando pela quadra e baquetas sendo jogadas no teto da quadra. Sandro Brinco e Sandro Gravador chamavam ao microfone para pegar os adereços da fantasia. O “pano” que nada mais era do que um apicultor, com os dizeres S.O.S natureza causou emoção na entrevista de um ritmista. Á época era singular para a escola, tentariamos um bi-campeonato naquela noite, durante o dia era churrasco pago pelo Interprete e samba e futebol orquestrado pela bateria. A noite chegou e com ela problemas com nossas alegorias, nossos carros ficaram emperrados, impossibilitando a passagem das alegorias de escolas que desfilariam antes da gente. O carnaval parou! Naquele momento na quadra dos Imperadores do Samba um homem magro, de bermuda e sem camisa pede ajuda no palco da escola para a bateria. Ajuda para não quebrarem nossas alegorias. Um ônibus da quadra se deslocaria para Avenida para impedir o “quebra-quebra”. Aquele homem que subiu ao palco foi o melhor presidente que eu vi, foi um louco, visionário que me fez ficar enlouquecido por esta festa. O final dessa estória todos já sabem. Mais queria deixar registrado que Roberto Corrêa Barros saudoso Betinho enquanto existir o carnaval, com toda certeza seu nome juntamente com o de Neri, Seu João Aruanda, Medina e Sandro Brinco (Gordão) será sempre Imortal. Salve a Escola do Povo de Porto Alegre, salve os Imperadores do Samba.