sexta-feira, 3 de abril de 2015

Abril, mês dos Guerreiros, mês de São Jorge e Ogum


O Mês de Abril nos traz algumas reflexões, pois é o mês que definitivamente se encerra o verão, mês em que começamos a sentir as temperaturas amenas, mês da introspecção. Abril é o mês em que o ano realmente começa, do pós-carnaval, tempo de analisar o que passamos, de projetar e planejar os próximos.

É exatamente o mês em que se comemora o católico Santo Guerreiro, o poderoso São Jorge e também o mês do Orixá guerreiro e batalhador Ogum, que por coincidência, o ano de 2015 é regido por este Orixá.

Sabendo que são distintos, saliento aqui a questão do sincretismo e das semelhanças destes dois guerreiros, que com sabedoria os nossos ancestrais escravizados os associaram para manter a sua fé... com isso inauguraram uma religião de tolerância e de convivência pacífica na leitura religiosa. Esta ligação de identidade por verossimilhança deu origem às bases para a Umbanda.


[...] São Jorge (275 - 23 de abril de 303) foi, de acordo com a tradição, é a de um soldado romano no exército do imperador Diocleciano que perseguia cristãos, se converteu ao cristianismo e foi torturado. Venerado como mártir. Na hagiografia, São Jorge é um dos santos mais venerados no catolicismo (tanto na Igreja Católica Romana, quanto na Igreja Ortodoxa, assim como também na Comunhão Anglicana). É imortalizado no conto em que mata o dragão. Considerado como um dos mais proeminentes santos militares, sua memória é celebrada no dia 23 de abril, quando, por toda parte do planeta se comemora o seu dia e também a reconstrução da igreja dedicada a ele na Lida (Israel), onde se encontram suas relíquias, erguida a mando do imperador romano Constantino I.

“[...] Antigamente, os orixás eram homens que se tornaram orixás por causa de seus poderes... [...] Homens que se tornaram orixás por causa de suas sabedorias; Eles eram respeitados por causa de suas forças; Eles eram venerados por causa de suas virtudes. Nós adoramos suas memórias e os altos feitos que realizaram; Foi assim que esses homens se tornaram orixás. Os homens eram numerosos sobre a Terra, antigamente, como hoje [...] muitos deles não eram valentes, nem sábios, a memória destes não se perpetuou, eles foram completamente esquecidos. Não se tornaram orixás. [...] porém em cada vila o culto se estabeleceu sobre a lembrança de um ancestral de prestígio {valente, destemido}e lendas foram transmitidas de geração em geração para render-lhes homenagem. [...]” Pierre Verger.

[...]Ogum é um orixá da mitologia Yorubá, o orixá ferreiro, senhor dos metais. O próprio Ogum forjava suas ferramentas, tanto para a caça, como para a agricultura e para a guerra. Na África seu culto é restrito aos homens, e existiam templos em Ondo, Ekiti e Oyo. Era o filho mais velho de Oduduwá, o fundador de Ifé. Ogum é considerado o primeiro dos orixás a descer do Orun (o céu), para o Aiye (a Terra), após a criação. Em comemoração a tal acontecimento, um de seus vários nomes é Oriki ou Osin Imole, que significa o "primeiro orixá a vir para a Terra".


Aos que acreditam e rogam pela fé, estes dois santos nos acompanham, nos guardam... com sua lança e sua espada, cortam todo o mal, protegem nossos caminhos e nos dão forças para seguir em frente!

Para alguns artistas do nosso carnaval, Ogum e São Jorge são forças que fazem parte do cotidiano, que dão força e alento às suas rotinas. Vinicius Machado, por exemplo, perguntado o que é para ele Ogum, ele nos responde: “...Ele é tudo na minha vida!”. Alex Bagé nos diz que: “Meu Pai Ogum representa na minha vida o equilíbrio e a força necessários para vencer as batalhas da vida”. Para o Mestre Sala Chula, “Ogum é a razão de tudo!”. Para o carnavalesco Mano Brum: “Ogum pra mim é o meu tudo nas horas boas e ruins... nas boas é agradecimento, nas ruins é minha fortaleza... Ogunhê!1

Seja o cavaleiro da Capadócia ou o grande Orixá ferreiro Ogum, ambos abriram caminhos para a fé do povo. Ambos são reverenciados e devotados em músicas, orações, poesias, enredos de escolas de samba. Ambos, São Jorge e Ogum estão estampados em diversas leituras e imagens, em camisetas, bandeiras, estandartes, enfim, na crença e na devoção.

Valemo-nos deste mês e deste dia [23 de abril] para homenagear e aprender com estas entidades o valor da luta em prol da verdade e do bem.Por isso, havemos, num salve a São Jorge Guerreiro, e um Salve a Ogum! Ogum-iê!


Fontes:
http://www.xamanismo.com.br/Teia/SubTeia1192578971It001
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ogum
http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Jorge
http://www.saojorge.net/

1.Relatos via WhatsApp dos artistas.