domingo, 15 de março de 2015

O carnaval dos sonhos...


Acompanhando por mais uma temporada o carnaval de Uruguaiana, pude perceber que as palavras dificuldades financeiras e superação foram repetidas várias vezes pelos dirigentes das agremiações. Os Rouxinóis e Deu chucha na Zebra foram exemplos disso, escolas que as vésperas dos desfiles estavam passando por muitas dúvidas em relação ao carnaval e ainda assim conseguiram colocar as escolas na avenida.

Mesmo com o sucesso de público a comissão de carnaval juntamente com a prefeitura está discutindo o rumo do evento para 2016. Atitude exemplar, já que alguns assuntos deverão ser tratados com carinho como desfile das escolas do grupo de acesso e o não cumprimento do horário determinado principalmente nas duas primeiras noites desrespeitando o público que pagava ingresso.

Foto: web/reprodução

Mas o que chama a atenção, é algo da característica do carnaval da cidade , é  o envolvimento  da população pelo carnaval. Os quatro dias da folia na fronteira oeste são vividos intensamente pelo povo de Uruguaiana que lotam as arquibancadas da Avenida Presidente Vargas.

  A alegria do carnaval contagia aquelas pessoas que visitam a cidade para acompanhar os desfiles.

Conversando com algumas pessoas de Porto Alegre percebi que a desilusão com o carnaval que ocorre no Porto Seco é de extrema importância. Tanto que me chamou a atenção a frase dita por um amigo que “Longe é o Porto Seco e não Uruguaiana”, talvez movido pelo clima que o mesmo estava vivendo naqueles dias de desfiles na fronteira.

Confesso, desde então que fico refletindo sobre qual carnaval nós foliões porto alegrenses sonhamos.
Fazendo esse exercício chego à conclusão que o carnaval ideal seria com o Complexo Cultural do Porto Seco pronto funcionando o ano inteiro com o propósito de servir a comunidade não somente no período do carnaval.

Foto: web/reprodução

Que fosse explorado o turismo, juntos prefeitura, governo do estado e as entidades carnavalescas divulgando o carnaval em outras praças instigando os carnavalescos do interior  a participar dos desfiles da capital.

Isso tudo com uma boa gestão, conscientizando os responsáveis pela administração do carnaval que o produto é muito bom, apenas precisa ser mais bem trabalhado para atingir o interesse de todos.

Talentos e profissionais competentes o carnaval da capital tem de sobra, precisamos levar para o Porto Seco, ou melhor, para o Complexo Cultural Carlos Alberto Barcelos, o Roxo, a alegria que temos, por exemplo, nas Descidas da Borges.

Será que isso é possível?

Então amigos, aproveitando o enredo dos Embaixadores do Ritmo 2016, “Sonhar não Custa Nada, basta acreditar”, o amigo aqui continua sonhando e você?


Qual o seu carnaval dos sonhos?