segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Setor 1 na Minha Quadra: Copacabana


Noite do último domingo (01), nossa equipe esteve visitando o ensaio especial do Copacabana. Especial porque na ocasião a escola se preparava para comemorar seus 53 anos de história. A quadra da escola lotou, contando com presença de pessoas que fizeram parte da trajetória da azul e rosa no carnaval, como Sérgio Peixoto (temista e carnavalesco) e Márcio Medina (intérprete). A festa contou com a participação de atrações convidadas, como a Escola Cruzeiro do Sul, de Novo Hamburgo.



O Copa será a quarta escola a desfilar na sexta-feira, 13 de fevereiro, no Complexo Cultural do Porto Seco, com o enredo “Copacabana Canta e Dança o Carimbó do Pará” e samba de autoria de Edson Vieira, Victor Nascimento, Andy Lee e Roberto Nascimento.

EXPERIÊNCIA E JUVENTUDE NA CONDUÇÃO DO PAVILHÃO

Dayane Machado faz sua estreia como porta-bandeira do Copacabana. Com passagens marcantes por escolas como Acadêmicos de Gravataí, Acadêmicos de Niterói, Unidos do Guajuviras e Imperatriz Dona Leopoldina, a experiente porta-bandeira chega ao Copacabana para bailar ao lado da aposta da escola, Aderson dos Anjos. O jovem rapaz de 18 anos, há 2 anos na escola, foi promovido à primeiro  mestre-sala na estreia da escola na elite do carnaval porto-alegrense.



Para Dayane, a experiência está sendo muito bem vivenciada. “Nós ensaiamos muito durante a semana. Pelo menos duas vezes na semana, estamos na avenida, ensaiando em torno de 3 horas por ensaio. Fora a preparação muscular. O Aderson é um parceirão, esforçado e um verdadeiro cavalheiro. Estamos trabalhando muito para garantir os 40 pontos para a escola.”

Aderson conta que a pressão pelo resultado e por ser jovem existe, mas que ele lida da melhor maneira possível. “A gente tem que lidar e a melhor forma de eu enfrentar isso é dançando e mostrando o melhor de mim. A Dayane está sendo uma parceira incrível, estou aprendendo muito também. Eu agradeço à escola por acreditar no meu potencial e tenho certeza que o resultado será o melhor possível para todos nós”.

RETORNO AO MICROFONE NÚMERO 1

Alexandre Duarte é o intérprete do Copacabana para 2015. Ele, que já faz parte da escola há mais de 20 anos, esteve no posto de intérprete oficial em 1999 e em 2013, quando a escola foi campeã do Grupo de Acesso.

O intérprete que está feliz com o novo momento da escola. “A expectativa é muito boa para o carnaval. A comunidade está unida, apoiando o trabalho. A gente faz nossos ensaios técnicos toda semana, além do ensaio show no final de semana. Está sendo um trabalho bem feito e bem realizado. A Copacabana vem para ficar no Especial”.

Sobre o peso de ser o intérprete oficial no grupo Especial, Alexandre é categórico “Claro que pesa a responsabilidade, mas se eu não tivesse condições, não estaria aqui conduzindo esse trabalho. Com a força do meu grupo de harmonia, vamos mostrar um trabalho de qualidade. A gente está fazendo de tudo para que dê certo lá na avenida e com certeza vai dar”.

O grupo de harmonia da Copacabana vai para a avenida com 3 cavacos, dois violões (6 e 7 cordas) e 7 vozes no canto, contando com o intérprete principal.

CASA NOVA PARA O MESTRE DOS BACANAS



Após dois anos à frente da bateria do Acadêmicos de Gravataí, Mestre Eliezer faz sua estreia no Copacabana para o carnaval de 2015. “A Copacabana me deu uma nova chance no carnaval e eu estou muito feliz, com a expectativa muito alta.” Com experiência de 10 anos no trabalho de baterias (como auxiliar e mestre) no carnaval, Eliezer acredita a bateria da sereia está preparada para estrear na elite da folia.

A bateria faz seus ensaios técnicos na quadra toda semana e promete fazer um trabalho bonito na avenida. Ao todo, serão 150 componentes na Bateria dos Bacanas.

A FALA DA PRESIDENTE

Dalvanice Barbosa, presidente da Copacabana, afirma que a responsabilidade de estrear no Especial é grande, mas ao mesmo tempo, gratificante. “A estreia é tão esperada, às vezes preocupa, mas ao mesmo tempo, dá muito prazer, porque é uma história de família. Meu pai foi um dos fundadores da escola, fazem seis anos que ele é falecido... Então isso motiva. Todos os dias quando eu acordo e penso em todos os leões que eu tenho que enfrentar naquele dia, eu penso naquele que tá lá em cima olhando pela gente e isso é que me dá forças para seguir”.


Sobre os problemas com os recursos financeiros, onde o carnaval de modo geral em 2015 enfrenta dificuldades, Dalvanice afirma que a escola segue trabalhando firme no barracão. “As dificuldades existem sim, com relação a grana principalmente. A verba para a escola que sobe do grupo inferior é menor, então a gente precisa correr atrás de muita coisa, mas nós estamos sabendo lidar com essas adversidades. Tivemos inclusive ajuda de algumas escolas do Grupo Especial, que nos oferecendo tudo o que podiam para que a gente pudesse fazer nosso carnaval, e junto com o que a gente já tinha, estamos fazendo um trabalho muito digno e bonito para levar para a avenida. Esperamos surpreender no desfile”.

A Copacabana deverá vir para a avenida com 1000 componentes e 4 alegorias, trazendo as representações do Estado do Pará, como o Mercado Ver-o-Peso e o Círio de Nazaré.