terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Da Série "Guardiões 2015": Grupo Especial

Por Ramão Carvalho

Olá! Conforme verificamos nas matérias anteriores, o casal de mestre sala e porta bandeira são, sem duvida alguma, a pura essência das agremiações que defendem e que representam... Poderíamos dizer que o casal quando conduz uma bandeira, se integra de tal forma, que é identificado com a comunidade, com o nome e com as cores da agremiação a qual faz parte. Desta feita, vejamos o que a consagrada e campeoníssima carnavalesca Rosa Magalhães escreveu em seu livro “Fazendo O Carnaval” sobre a dupla de mestre sala e porta bandeira:

 “[...] A parte mais representativa da Escola de Samba é o casal de mestre sala e porta bandeira. Tem a grande responsabilidade de representar o conjunto de todos os participantes. Eles são a essência mesmo da Escola, a raiz mais compacta de uma entidade carnavalesca. [...] A bandeira de cada agremiação tem tanta importância que se costuma beijar sua borda, oferecida pelo mestre sala quando se é uma visita ou em sinal de respeito. Existe todo um cerimonial que envolve a bandeira e o casal. [...] Cada uma destas bandeiras tem um desenho próprio e as cores são sempre as da escola, e essa decoração também possui simbologias...[...]

No tocante ao quesito Mestre Sala e Porta Bandeira, aos olhos de uma avaliação, penso que a apresentação deste casal, assim como o instrumento mágico que estes dois ostentam, a importante bandeira e tudo que os cercam durante um desfile, seja um momento sublime, e por isso mesmo, este momento deve ser bem marcante, bem realizado, um momento ritualístico. A apresentação do casal de mestre sala e porta bandeira deve ser pontuada de pura expressão corporal e facial. A coreografia deve ser bem planejada e executada com garbo, elegância da postura e desenvolvida com muita alegria.

Lembrando que a apresentação do casal é pautada da arte da sedução, pois o mestre sala deve ser dotado de elegância e cavalheirismo em sua forma mais densa, é a marca registrada de um bom ‘mestre de sala’. Deve haver toda a ternura e o carinho que domina o ser humano tomado de inspiração e do desejo de conquistar a sua amada – entende-se aqui que não há a necessidade de carícias explícitas, mas sim, apresentar-se com olhares enamorados, flertes, pois sem esta cumplicidade, não haverá ritual, uma vez que a essência da dança é a própria sedução.

Quanto à Porta Bandeira, esta deve estar munida de um sorriso expressivo e contagiante. A sua bandeira deve ser a extensão de seu corpo. Ela deve cuidar para que, ao girar, esta bandeira esteja totalmente desfraldada, não dobrada. (evitar o formato de “cone” da bandeira). Nunca segurar uma de suas extremidades. Os Símbolos da Escola devem estar nítidos para apreciação.

Ao Mestre Sala, cabe a função de proteger, conduzir, guardar, zelar e galantear (enamorar à distância) sua parceira, sempre reverenciando seu pavilhão. Este enamorar significa dançar para ela e com ela, apresenta-la com orgulho, satisfação e alegria. Seus movimentos devem ser ricos de criatividade e diversificados. Meneios, mesuras, manolês, giros, contra-giros, torneados, piruetas e carrapetas, além do famoso “riscado”, que são meneios de pernas, num ciciar ritual, para chamar a atenção da dama... são passos característicos da sua função.

Para ambos, a sincronia e a finalização dos movimentos é de vital importância e deve ser percebida a quem os assiste. Todos os movimentos devem estar sincronizados, as gentilezas e as trocas de olhar um para com o outro, finalizando com sorrisos e alegria de ambos. Por fim, para coroar a apresentação diante dos avaliadores, a coreografia não deve ser mecânica, ela tem que emocionar a quem assiste, por isso, a tranquilidade e a firmeza dos movimentos deve ser constante, sem que haja um ‘enrijecimento’ do corpo.

Desta forma, seguindo estes pequenos detalhes supracitados, poderemos esboçar uma apresentação digna da nota 10. Rege em alguns regulamentos que a avaliação encerra-se com a apresentação bem realizada da bandeira. Em alguns locais, o casal é avaliado em todo o campo de visão do jurado, tendo estes que estar atentos e bailar para todo o público, o que em minha opinião, deveria ser um compromisso de todo casal: bailar ao longo da pista, saudado o público em geral...

Assim, para finalizar a sequencia de matérias sobre os casais de mestre sala e porta bandeira, vejamos quem serão os guardiões das sagradas bandeiras e símbolos da elite do carnaval gaúcho. Vamos conhecer um pouquinho das nobres duplas que ostentarão os pavilhões do Grupo Especial do carnaval de Porto Alegre.


GRUPO ESPECIAL

Bambas da Orgia



Fabi Almeida e Evandro. O casal é formado há cinco anos. Fabi é oriunda da comissão de frente, passando a portar uma bandeira em 2004. Chegou em Bambas da Orgia como segunda e em 2011 se tornou a primeira porta bandeira. Evandro desfilou por diversas entidades, tornando-se o primeiro na Imperadores do Samba. Depois disso percorreu outras entidades até chegar à escola da Voluntários da Pátria em 2011 para formar o par com Fabi Almeida. O casal detém excelentes notas e nos dois últimos carnavais acumularam todas as notas máximas dos jurados. Em 2015 Bambas da Orgia trará o competente casal defendendo o seu pavilhão azul e branco da águia.

Copacabana



Daiane e Aderson dos Anjos. O casal dança pela primeira vez juntos. Daiane tem experiência como primeira porta bandeira e já bailou com outros pavilhões como Unidos do Guajuviras, Acadêmicos de Gravataí e Imperatriz Dona Leopoldina. O mais jovem mestre sala, de grande habilidade e desenvoltura, vem de uma promoção de segundo para ser o primeiro guardião do pavilhão da entidade. Ele havia desfilado pela Escola de Samba da Gloria e frequentou o Projeto Bailado do Cisne. Em 2015 a escola que ingressa no Grupo Especial do carnaval de Porto Alegre traz para a avenida o casal para bailar com o pavilhão azul e rosa da sereia, a Copacabana.

Unidos de Vila Isabel



Nathielle e Adriano Ricardo. O casal de irmãos dança junto desde a infância, porém a formação do par bailante se deu oficialmente neste pré-carnaval. Ambos são filhos do grande mestre sala Chula. Herdaram do pai o talento de bailar com garbo, elegância e muita ginga. Adriano Ricardo, conhecido como “Nego”, antes de ser o primeiro mestre sala da Copacabana no ano de 2014, frequentou, junto com a irmã o curso de formação de casais, o Bailado do Cisne, onde o instrutor era o próprio pai. Ambos são uma revelação para o carnaval, uma vez que, apesar de jovens, já demonstram talento e traquejo de um casal experiente. Em 2015 eles irão apresentar o pavilhão azul e amarelo da pomba, da Unidos de Vila Isabel de Viamão.

Imperadores do Samba



Simone Ribeiro e Cesar Augusto. O casal é o atual campeão do carnaval e será o segundo ano juntos. Formaram o par na Imperatriz Leopoldense, escola de origem do mestre sala Cesar Augusto, o Céh, o que mais tarde, o competente casal chegou para bailar nos Imperadores do Samba, onde formaram o casal “nota quarenta”, ajudando assim a escola vermelho e branca a conquistar o título. Simone Ribeiro é experiente porta bandeira, desfilou por diversas escolas de samba da capital e do interior do Estado, sempre reconhecida com excelentes notas nos desfile. Atualmente é a presidente do curso que forma porta estandartes, mestres salas e porta bandeiras, o Padedê do Samba. Cesar, por sua vez, iniciou sua carreira nas bases da Imperatriz Leopoldense e tornou-se lá o primeiro mestre sala. Para 2015 eles defenderão o pavilhão da escola dos leões, a vermelho e branca Imperadores do Samba.

Império da Zona Norte



Ana Marilda e Carlos Viana. O casal formou-se este ano para conduzir o pavilhão da Imperatriz Leopoldense do Grupo Intermediário A, porém, um chamado de sua escola os levou para o Império da Zona Norte, onde Ana é “prata da casa”, de algum tempo desenvolvendo funções como passista e coreógrafa, porém está firme no propósito de empunhar e ostentar a primeira bandeira dos Leões alados. Carlos Viana, o Caio, já foi um dos grandes passistas que Porto Alegre conheceu, inclusive foi par de Ana no próprio Império. Iniciou sua carreira de mestre sala na Unidos de Vila Isabel, desfilou em outras escolas até formar este ano de 2015, o casal oficial da escola amarelo, prata e branco da Avenida Sertório,o Império da Zona Norte.

Acadêmicos de Gravataí



Andreísa e Alexandre Pereira. O casal está no segundo ano dançando juntos. Andreísa Cidade de Anselmo é experiente porta bandeira. Iniciou sua carreira na Império da Zona Norte, quando recebeu a oportunidade de se tornar a primeira porta bandeira de Unidos de Vila Isabel em 2013. Em 2014 formou com o mestre sala Alexandre o primeiro casal da Acadêmicos de Gravataí. Alexandre, ou o “Choco” como é mais conhecido, é oriundo de Comissões de Frente e iniciou sua carreira de beija-flor nos Bambas da Orgia, e desfilou na União da Vila do IAPI, mas foi na Protegidos da Princesa Isabel onde ingressou como primeiro mestre sala. A dupla foi reconhecida no carnaval de 2014 por apresentar-se com uma excelente exibição. Em 2015 o casal conduzirá o pavilhão vermelho, preto e branco da onça negra da Acadêmicos de Gravataí.

Estado Maior da Restinga



Gisa e João Boff. O casal já dançou junto em outros carnavais, e já formaram dupla, por exemplo no Império da Zona Norte. A premiada e reconhecida porta bandeira é experiente na função de conduzir o pavilhão e já portou diversas bandeiras do carnaval gaúcho. O mesmo pode ser creditado ao mestre sala, que já conduziu grandes nomes da arte de bailar na dança nobre e aristocrática no carnaval. Em 2015 a dupla conduzirá e apresentará o primeiro pavilhão da tricolor da zona sul, a verde, vermelho e branco do cisne, Estado Maior da Restinga.

Imperatriz Dona Leopoldina



Priscila e Chula. O casal de mestre sala e porta bandeira bailam juntos desde 2009, quando formaram a dupla que ostentou o pavilhão vermelho e branco campeão da Imperadores do Samba. Antes porém, o mestre sala bailou por outras entidades da capital, conduzindo outras portas bandeiras e recebendo diversas notas máximas e premiações. Chula ainda é o mentor e o mantenedor do Projeto Bailado, que formou diversos talentos na condução de bandeiras e estandartes para o carnaval. Antes de bailar na laranja escola da coroa real, o casal se destacou também no Estado Maior da Restinga. Para o ano de 2015 o casal irá defender a bandeira laranja e preta da Imperatriz Dona Leopoldina.

Embaixadores do Ritmo



Natiely Cruz e Robson Souza. Eles dançam juntos há mais dois anos. Ela era a porta estandarte da Embaixadores do Ritmo, logo, tornou-se a segunda porta bandeira para assumir com Robson o primeiro pavilhão em 2013. Robson tem a trajetória semelhante a de sua porta bandeira, de segundos passaram a defender o primeiro pavilhão da escola. Ele também é instrutor no curso que forma mestres salas e portas bandeiras em Porto Alegre, o Padedê do Samba. O jovem casal é uma grande revelação da escola dos ursos polares, que encanta com seu bailado. Em 2015 eles conduzirão a bandeira dos ursos, luvas e cartolas, a vermelho e branco Embaixadores do Ritmo.

União da Vila do IAPI



Suelene Neves e Luis Gustavo. Formam o par da União da Vila do IAPI desde 2012.
Suelene é experiente porta bandeira, e já conduziu bandeiras como as de Bambas da Orgia, Praiana, Acadêmicos de Gravataí e Imperatriz Dona Leopoldina. Suelene é também instrutora do Curso que forma mestres salas e portas bandeiras, o Padedê do Samba. O mestre sala Luis Gustavo, mais conhecido como Tiriri é reconhecido e experiente na arte de conduzir e galantear as damas que portam bandeiras. Oriundo dos Imperadores do Samba onde fez os primeiros passos, riscou o chão de diversas escolas entre elas Bambas da Orgia, Praiana e Imperatriz Dona Leopoldina. Tiriri é também instrutor do módulo avançado da formação de casais de mestres salas e portas bandeiras do Padedê do Samba. Em 2015, o premiado casal vai conduzir e apresentar a bandeira da tricolor da zona norte, a azul, vermelho e branca bandeira do trem, a União da Vila do IAPI.


ATENÇÃO AOS CASAIS:
·      Você já sabe como vai ser julgado e avaliado?
·      Conhece o quesito e os requisitos para alcançar a nota máxima?

EM TEMPO:
Ainda não tivemos acesso ao Manual dos Jurados e Avaliadores do Carnaval de Porto Alegre, tanto do grupo Especial quanto dos grupos intermediários. Para o Grupo Especial e Intermediário A os jurados serão formados por avaliadores de fora do Estado.

Fonte da citação:

Magalhães, Rosa, and Oséas Jarmouch. Fazendo carnaval. Lacerda Editores, 1997.