terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

A energia carnavalesca da avenida Borges de Medeiros


Na última sexta-feira (30), mais de trinta mil pessoas sambaram com as escolas de samba no encerramento da Descida da Borges, edição 2015, evento que comemorou uma década de realização sob a luta de Joaquim Lucena Neto, coordenador de Manifestações Populares da prefeitura de Porto Alegre, o grande  mentor da ideia de reviver os antigos carnavais  no centro da cidade.

Muitas pessoas que estavam presentes relembraram os festejos dos anos cinquenta e sessenta, quando assistiam os desfiles das entidades sentadas em um mochinho, o famoso banquinho. Acompanhando o desfile dos Embaixadores deparei-me com um senhor que também estava recordando seus grandes momentos no carnaval naquele palco, ele era Adolfo Giró.

Adolfo Giró aplaudindo sua escola durante a Descida da Borges
- Foto Edy Dutra/Setor 1
Adolfo Giró, foi um dos fundadores dos Embaixadores do Ritmo, nasceu na Colônia Africana, hoje bairro Rio Branco, porta-estandarte no tempo que o símbolo da escola era ostentado também por homens.

Seu Giró como é conhecido lembrava que desfila desde os quinze anos e estava emocionado ao ver todo aquele povo aplaudindo os seus Embaixadores, recordando um carnaval que fora campeão ali mesmo na Borges e desejava que a festa do carnaval fosse eternamente realizado naquele local.

Seu Giró é um grande exemplo da energia que a Descida da Borges nos dá. Uma grande festa do povo que amam e respeitam as escolas de samba. E que essa energia seja transferida para zona norte, no Complexo Cultural Carlos Alberto Barcellos, o Roxo.