quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Casais do Salgueiro realizam workshop para Mestre-sala e Porta-bandeira

Casais participaram do workshop no Salgueiro. Foto: Alex Nunes

Por Tairine Machado

No último sábado (06), eu estive no Rio de Janeiro, onde os casais de mestre-sala e porta-bandeira do Acadêmicos do Salgueiro Marcella Alves e Sidclei Santos (1º casal) e Luana e Mosquito (2º casal) realizaram um encontro com casais do Rio de Janeiro, São Paulo, Florianópolis e Porto Alegre.

O intuito do mesmo era que se fizesse uma troca de experiências e conhecimentos, para que juntos pudessem agregar uns aos outros novidades e opiniões, buscando assim uma visão diferenciada e coerente da dança dos casais. De inicio foi ministrada uma pequena palestra sobre a arte de Mestre-Sala e Porta-Bandeira, suas novas tendências, o que pode e o que não pode, composições coreográficas, entre outros assuntos nortearam a roda de perguntas ao longo da palestra.

Na mesa de debateste estavam presentes renomados nomes do carnaval do Rio que poderão expor seus pontos de vistas e tirar duvidas dos presentes. Entre eles estavam por unanimidade dos organizadores do curso Julinho e Rute, 1º casal da Unidos da Tijuca, atual campeão do carnaval carioca. Dois gigantes do meio carnavalesco carioca e nacional, que com o garbo e competência que tem, puderam passar a todos o tamanho de sua magnitude como artistas e entrosamento perfeito como casal.

Também presentes o casal de coreógrafos dos casais do Salgueiro, Hélio Bejani (ex-diretor e coreógrafo do Teatro Municipal) e Beth Bejani (bailarina e coreógrafa) que, de forma muito especifica e direta, mostraram-se extremamente profissionais e coerentes nas metas que esperam de seus casais, tanto na avenida quanto na quadra.

Compuseram a mesa também, Aydano André Motta, jornalista colunista do jornal o globo e Autor do livro "11 Mulheres Incríveis do Carnaval Carioca Porta Bandeiras", amante incondicional da arte dos casais,  relatou algumas das historias de seu livro para os presentes. E Rita Freitas, que foi 1ª porta-bandeira do Salgueiro na década de 80, e que presenteou a todos com suas histórias dentro da agremiação.

A palestra foi muito produtiva e conseguiu agregar muitos valores que com o passar do tempo vem se perdendo no andar da carruagem do carnaval. Seguido da palestra todos partiram para um lanche impecavelmente organizado pela coordenação do curso e após foi dado inicio a parte pratica do mesmo. Os coreógrafos fizeram a parte do aquecimento e buscaram passar para os presentes que é muito importante a questão de alongar-se antes de bailar e que o corpo precisa deste momento para executar seus movimentos sem entorse e  lesões, além de frisas que a condução é feita sempre pelo Mestre-Sala e que o mesmo deve passar confiança para sua partner e a mesma deixar-se envolver pelo seu par, e isso lhes trará o entrosamento que buscam.

João Boff e Giza, casal da Restinga; Marcella e Sidclei, casal do Salgueiro; Julinho e Ruth, casal da Tijuca e Tairine e Leonardo, segundo casal da Leopoldina. Foto: Reprodução arquivo pessoal.
Em seguida, foram divididas as turmas em homens e mulheres e esse foi o momento de trabalhar as características individuais das duplas. Para as porta-bandeiras: giros, meio giros, diagonal, criatividade, musicalidade. Esses foram os pontos mais trabalhados por Marcella e Luana. Para os mestres-salas: riscado, condução, maneios e mesuras, musicalidade e postura, foram os pontos trabalhados por Sidclei e Mosquito.

Após uma pausa pra água os casais se juntaram e puseram em pratica os aprendizados que tiveram com seus mestres. E terminaram este momento do curso com uma bela roda de bandeiras, e foram presenteados com uma palhinha das novas coreografias dos casais do Salgueiro dentro do Samba de 2015, que mesmo distintas, traduzem o samba da escola com a mesma vontade, verdade, sutileza e querer.

Por fim foram feitos os agradecimentos de cada um dos palestrantes e o pedido que foi feito as casais diante de tudo que foi abordado é que os mesmo busquem esmiuçar cada movimento, desbravá-lo, busquem quebrar tabus e correntes que estejam atrapalhando o desenvolvimento do trabalho que cada um esta fazendo, que juntos possam encontrar o melhor para os dois, que possam dialogar abertamente suas frustrações e opiniões perante o que desejam fazer  e encontrem concessões para que possam afinar a sua dança. Que tenham personalidade e características próprias, criem seus passos adequados a dupla e encontrem seu diferencial. E que lembrem-se que a dança do Mestre-Sala e da Porta-Bandeira é sublime, única e universal  e que o casal como personagem que naquele momento que dança se torna, mesmo que sem fala tem que usar de seus corpos e seus rostos para passar ao publico a verdade e o sentimento que lhes envaide  a alma e o coração e que transbordara aos olhos de quem assiste-os.

E que lembre-se sempre que a parceria para ser de sucesso é feita de lealdade, cumplicidade, respeito, troca, humildade e o mais  fundamental, amor pelo que se faz e amizade um pelo outro. São esses o pontos que levam qualquer casal às suas metas e vitórias e que o segredo é sempre acreditar, lutar e conquistar. Diante de momentos tão intensos,munido de tantas informações e conhecimento o segundo módulo do curso será feito em Janeiro e trará ainda mais novidades e conhecimento. Em breve Setor 1 trás mais informações a você leitor.