segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Ouvindo histórias dos novos talentos...


Seguindo a dinâmica do especial de Outubro para o dia das crianças, mesmo com a chegada de Novembro, o Setor 1 ouve dos talentos jovens o que eles têm para contar, seus anseios e suas expectativas... Para esta Edição o ‘Ouvindo Histórias’ traz amostras de ‘crianças’ que já estão desenvolvendo atividades de gente grande.

Quem vê estes jovens talentos, abrilhantando o carnaval, nas festas, shows, ensaios, desfiles, nem imaginam que por detrás de suas belas performances, há um aparato logístico e psicológico, para dar conta de sua formação como artista e que dá um suporte técnico para suas apresentações...

Seja como incentivo, seja para acompanhar, inspirar e ensinar, para formar um destaque do carnaval é necessário um batalhão de pessoas que darão suporte ao destaque. Com os adolescentes e com as crianças não é diferente, e por se tratar de menor de idade, estes necessariamente precisam estar acompanhados de seus respectivos responsáveis, que são as bases para manter e incentivar o artista.

Foto: Reprodução de arquivo pessoal

Um belo exemplo de novo talento é de Hyelson Pereira, 10 anos, Mestre Sala, dança desde os cinco anos. Sua inspiração em dançar e ser Mestre Sala vem de casa, inspirado pelos passos brilhantes do pai, primeiro Mestre Sala da União da Vila do IAPI, Gustavo Tiriri. Hyelson apesar de jovem já tem reconhecimento como Mestre Sala, pois há dois anos vem desfilando pela Escola de Samba Unidos da Vila Mapa. Para melhorar a sua dança, ele mantém o foco e participa assiduamente das aulas do Padedê do Samba. Questionado de como ele vê o carnaval de Porto Alegre, ele, feito gente grande responde que:

“[...] o carnaval já mudou muito, está melhor... ele ficou melhor, mais bonito porque se estruturou... [...]”, Porém ele nos aponta: “[...]...mas tem muitos problemas, por exemplo, tem que arrumar o nosso sambódromo do jeito que `eles` nos prometeram...[...]”

Outra amostra de que o futuro do carnaval está garantido, é o talento de Alisson Prado, 17 anos, Mestre Sala. Estudante na escola Aparecida, ele está no Primeiro Ano do Ensino Médio. Ele é um dos primeiros alunos do Padedê do Samba e um dos destaques entre os alunos quando o quesito é a desenvoltura na dança e no bailado nobre do carnaval. Atualmente dança na Escola de Samba Bambas da Orgia, e sobre a ajuda que recebe vem de casa ele nos diz:

[...] ... estou me esforçando para ser um grande destaque, quem me dá o maior apoio é a minha mãe Cristiana e a minha avó Leonisa... [...]... eu espero do carnaval mais melhorias nos diversos setores e novas oportunidades para os jovens...[...]”

Revelação em talento e desenvoltura é a Porta Estandarte Giulia Correia. Aluna do Padedê do Samba, atualmente ela está bailando com o Estandarte da Imperatriz Dona Leopoldina. Ela nos revela que a sua base vem de casa, com o incentivo da mãe Cláudia, a quem carinhosamente os amigos chamam de “Mãe-dedê”, devido à sua ajuda constante na Escola de Mestre Sala e Porta bandeira do Padedê do Samba.

Foto: Reprodução de arquivo pessoal

Julia toda orgulhosa de suas conquistas, uma vez que já passou por outras escolas, portando os estandartes, nos revela que obtém ajuda e incentivo:

“[...]... Quem me ajuda são os meus dindos, mas principalmente a minha mãe, que me incentiva a seguir, a melhorar.... é muito importante esta base pra mim, sem ela não seria o que sou...


Podemos ver que no carnaval tem vários talentos e que já podem ser reconhecidos, e no futuro podem ser grandes nomes do carnaval. Sempre me inspirei em Cris Pereira e Denise Nogueira, ambas as instrutoras do Padedê do Samba. Espero que o carnaval valorize os novos talentos, que dêem espaço e incentivo aos que estão chegando.