segunda-feira, 17 de novembro de 2014

A despedida de Anderson da Protegidos


No mundo em que vivemos é difícil conviver com gratidão, mas não é difícil reconhecer e admirar quando a gratidão acontece. GRATIDÃO e profissionalismo foram as duas palavras que encontrei para exemplificar o que presenciei na quadra da Protegidos da Princesa Isabel na noite do ultimo sábado (15), coincidentemente dia em que a escola completava 45 anos.

Estava na quadra em de Novo Hamburgo para o evento que elegeria os Mais Belos Negro daquela cidade, festa que aconteceu na quadra da Protegidos e integra a Semana da Consciência Negra de lá.  
Confesso que fiquei intrigado, pois na programação estava descrita a apresentação da Bateria e Harmonia da Protegidos, e até então o novo interprete não havia sido anunciado. Pouco antes da apresentação o presidente Ivan Nascimento me falou que quem cantaria na noite seria o Anderson, interprete que deixou a escola e hoje é a voz da Unidos de Vila Isabel.

Até que o show começasse achei comum e normal isso acontecer, mas enquanto Anderson subiu ao palco e a bateria de Mestre Jhean se preparava para iniciar a apresentação me peguei a pensar quantas vezes isso aconteceu em nosso carnaval.

Quantas vezes um intérprete, mesmo já tendo estreado em sua nova escola, retornou até a antiga comunidade em uma oportunidade para se despedir das pessoas que tanto torceram por ele? Quantas vezes alguém reconhece a casa que lhe deu oportunidade e “vitrine” para que pudesse assim ter seu trabalho notado e reconhecido?

O show iniciou e boa parte da mesa onde senta costumeiramente as matriarcas da Protegidos, como a conhecida Tia Nair (viúva do fundador Sebastião Flores), começaram a chorar. Visivelmente emocionadas... não por perder um cantor, mas por ver mais um filho da tricolor de Novo Hamburgo alçar vôos mais altos.

Anderson Luis, após cantar vários sambas da entidade, agradeceu a acolhida da comunidade e a oportunidade dada pela direção da escola. Disse também que embora agora defenda as cores da Vila Isabel, seu coração eternamente terá as cores da Protegidos.


O show encerrou com o ultimo samba cantado por Anderson na escola e o interprete despediu-se sob intermináveis aplausos do publico presente.

Assim o canário saí da escola, deixando vários torcedores de seu sucesso, que lutarão ferrenhamente com a sua Protegidos na segunda de carnaval (quando desfila o Grupo de Acesso), mas certamente já tem pra quem torcer no sábado quando desfilará a Vila Isabel.

 A mim, só restou aplaudir a comunidade da Protegidos e a atitude do canário que deu exemplo de gratidão, profissionalismo e principalmente humildade. Vida longa a Protegidos... Vida longa ao Anderson... Vida longa aos bons exemplos!