segunda-feira, 29 de setembro de 2014

O preconceito "humano" na urna eletrônica!

Bom, há algum tempo já falamos que o carro chefe e dono do Setor 1 é o CARNAVAL, mas que não deixamos de publicar aqui assuntos que possam vir interessar ao publico que o site atinge: como o racismo, a cultura negra, a religiosidade.

Ontem a noite assisti ao debate da Record com os candidatos a presidente, aqueles que teremos de escolher um para eleger no próximo dia 05 e fiquei totalmente apavorado com a declaração de um dos presidenciáveis. E não estarei aqui neste artigo fazendo apologia ou denegrindo a imagem de qualquer candidato, apenas expressando minha indignação como ser humano, como brasileiro, e claro, como gay!

Em resposta a uma pergunta feita por Luciana Genro (PSOL) que questionava sobre a união homo-afetiva e sobre a homofobia o candidato Levy Fidelix (PRTB) disparou em rede nacional as duas declarações:

"Que essa gente (Homossexuais), vão se tratar bem longe do Brasil!" e "Órgão excretor não reproduz".

Antes disso, há algumas semanas atrás, a candidata Marina Silva (PSB) retirou de seu plano de governo a criminalização da homofobia e a legalização de casamentos homo-afetivos a pedido (ou mando) das lideranças religiosas que apóiam sua campanha. O programa de governo da candidata é evasivo ao tratar temas de interesse da comunidade afro-brasileira, como políticas afirmativas de promoção da igualdade racial e o respeito às religiões de matriz africana. Em um dos trechos mais polêmicos, a candidata prevê o fim das cotas para negros, considerado por ela como uma “medida emergencial e temporária”.


Tem também o presidenciável Pastor Everaldo (PSC) que no debate da BAND de um mês atrás inseriu em uma de suas respostas a frase: “Família pra mim é homem com mulher, jamais dois homens...”

Certamente quem ainda considera negros e homossexuais minorias, não conhece de fato o Brasil e o povo brasileiro. Mas o que podemos esperar de um país que tem como Presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias o Sr. Deputado Marco Feliciano (PSC) um legitimo e verdadeiro pastor, que prega para seus fiéis o preconceito e a homofobia. Em uma de suas “menos ofensivas” declarações este senhor exclamou: “Não coloco gays e negros no meu saco como dizem por ai. Ser gay é uma questão de escolha e ser negro é uma questão de azar”.

Em tempos de chamar negros de macaco, de matar gays por suas opções sexuais e que se condena pessoas pelas religiões e fé que decidem seguir é preciso sim que você tome cuidado com aquilo que seus dedos vão digitar nas urnas em 05 de Outubro.

Não me recordo de tamanha falta de respeito as pessoas como as noticias que tomam conta da mídia neste ano, aliás, o desrespeito tem sido o protagonista da novela chamada Brasil.


Ligo todas estas “minorias” ao nosso carnaval! Sim, pois não podemos negar que a maioria dos nossos integrantes de escolas de samba são negros. Que grande parte de nossos destaques, figurinistas, carnavalescos e tantos outros setores são ocupados por gays, e que não há quem não ascenda uma vela ou vá fazer “aquela limpeza” alguns dias antes do desfile.

Mas o carnaval não é celeiro das minorias por regra, apenas é porque nas escolas de samba, todos aceitam as pessoas como elas são. Rico, pobre, feio, bonito, gay, hetero, negro, branco, amarelo... no samba todo mundo é igual!

É por isso que NÓS, a “MINORIA” tão citada por eles temos de nos agigantar na hora de votar e fazer valer a nossa vontade e os nossos direitos.

 E eu gostaria de terminar este artigo respondendo ao candidato a presidência Levy Fidelix que disse que "Órgão excretor não reproduz". Acredito que o senhor está enganado candidato, a sua própria existência contesta isso, uma vez que certamente o senhor foi cagado por alguém. E também dizer que o senhor deveria deixar de lado sua homofobia pois ela já não esta mais na moda, uma vez que não é de hoje que os brasileiros estão acostumados a tomar no cu, com políticos como o senhor no poder!