sexta-feira, 22 de agosto de 2014

"Com que roupa eu vou?" - Especial Samara Braga

Olá pessoal! Hoje a nossa coluna terá muito brilho. Aliás, terá um brilho especial... Sim, Samara Braga tem como marca registrada do seu trabalho, as roupas brilhantes que produz para os destaques do nosso carnaval. E não é errado dizer que um pouco deste brilho saia de sua pessoa também. Afinal, aquilo que se faz com amor, se sai ainda mais belo e radiante.

“UMA VERDADEIRA MUSA DO CARNAVAL”

Confesso que fiquei surpreso quando no encontro com Samara Braga, num café em Porto Alegre, me deparo com uma mulher discreta, de tom de voz baixo, calmo. De longe passa da imagem das musas, passistas com as quais eu estava acostumado a ver. Puro engano meu. E ao longo de nossa conversa eu pude ir constatando que, realmente, para ser musa, é preciso algo mais, um certo brilho. E isso, Samara tem.


Com dna de sambista nas veias (seu pai é fundador do Estado Maior da Restinga), desde criança Samara convive com o carnaval e confessa: é apaixonada. “Eu chego no atelier e já coloco um cd de samba enredo para ouvir. Porto Alegre, Rio, Uruguaiana, qualquer lugar. Mas tem que ser samba enredo”, relata ela, que mora na zona sul de Porto Alegre.

Com formação em Costura, Moda e Design pelo SENAI, ela conta que antes de ingressar de fato com seus trabalhos para o carnaval, estava trilhando um caminho promissor no mundo da moda. “Eu já fazia peças para vender para lojas, estava seguindo um caminho bacana, fazendo um nome na moda. Mas aí o carnaval me puxou e eu fui”, revela a moça que, com brilho nos olhos completa “e não me arrependo”.

Em sua trajetória pelo carnaval, Samara já foi destaque de chão, participou de grupos de cabrochas. Mas ganhou destaque mesmo ocupando um posto que, segundo ela, ainda hoje não é tão valorizado nas escolas de samba: musa da harmonia.

E seu primeiro ano foi em 2003, na Mocidade Independente da Lomba do Pinheiro. “Eu mesma fazia as minhas roupas já naquela época e ajuda as outras meninas da escola. Com o tempo, eu fui vendo que levava jeito e fui seguindo, usando as minhas ideias, observando também o trabalho de outros artistas, mas buscando sozinha as formas diferentes de criar a roupa”, conta ela, que ainda teve passagem pela União da Tinga, Real Academia de Samba e Acadêmicos da Orgia, onde por três anos ocupou o posto de musa da harmonia e ganhou ainda mais notoriedade no carnaval.

Fazer roupas para os Destaques e a grande paixão de Samara

Nesta caminhada, ela destaca o apoio de duas pessoas: seu pai, que até hoje a auxilia, e a Lú, primeira passista dos Bambas da Orgia, que fora um dos primeiros destaques de nome para quem Samara confeccionou roupas. E foi através da Lú que Samara chegou ao ninho da Águia.

“Eu e a Lú somos amigas e moramos perto. E na época, ela era segunda passista nos Bambas e eu ia junto para os ensaios, ajudando ela a se arrumar, e também dando uma força para outros destaques do grupo show”, relembra Samara, que em 2009 fez seu primeiro desfile pelo Bambas, como destaque de chão. No ano seguinte, desfilou como destaque alegórico e em 2011 assumiu o posto de musa da harmonia na escola. “Foi uma emoção muito grande”, conta.


E junto com seu crescimento no carnaval, a carreira como empresária também foi crescendo. Além dos trabalhos com o carnaval, Samara é dona de uma confecção, que faz roupas para demais ocasiões. Porém, segundo ela, o carnaval lhe toma muito tempo. “O atelier não para. É cansativo, mas eu gosto do meu trabalho. Faço com dedicação”, conta ela, que já fez trabalhos inclusive para o Império Serrano, do Rio de Janeiro.


Perguntada sobre a sua marca nos seus trabalhos, ela conta que o que mais escuta das pessoas é “que a Samara não economiza no material”, diz, aos risos. “Fantasia tem que ter volume, brilho, conjunto. A evolução dos materiais que a gente trabalha hoje ajudou nisso. E eu gosto de ver um destaque bem vestido então eu invisto o que for preciso para que ele saia bonito”, afirma.


Ela diz não ligar para a disputa de vaidade entre as beldades do carnaval, já que trabalha praticamente com todas as musas, rainhas, madrinhas, passistas... “O meu trabalho é o mesmo para todas, desde o destaque mais exigente até aquele que deixa tudo nas minhas mãos para que eu decida o que fazer”.


E a palavra trabalho foi bem recorrente durante toda a nossa conversa. Com a mente empreendedora, Samara já fala em ações para 2015 e 2016. “Estou com a cabeça lá na frente. É assim que precisa ser, tudo organizado para que dê certo lá no final”. Mesmo assim, ela afirma que na época de carnaval, às vésperas do desfile, sempre tem que dar aquela “corridinha” nas roupas. “Sem a adrenalina da última hora não tem graça”, ri.

Adrenalina esta que ela sentiu a pouco tempo este ano, quando fora convidada pela direção dos Bambas para assumir outro posto de destaque na escola.

“Confesso que não esperava o convite. Fiquei sem reação. Eu sempre gostei do trabalho com a harmonia, já tinha até conversado com os meninos pra gente bolar algo diferente. E aí vem o convite. Pensei duas vezes”. E aceitou. Para 2015, Samara Braga desfilará à frente da bateria Trovão Azul como Musa da Bateria. “A responsabilidade é grande, mas eu sinto que tudo vai dar certo” conta ela, na expectativa por um grande desfile da azul e branco.


Com tantos desafios pela frente, e com a agenda de 2014 praticamente fechadas para trabalhos, Samara mantém sua aparência leve, um estado tranquilo. E aquele brilho, “o algo a mais”, intenso nos olhos. Brilho este que só se vê em quem é realmente apaixonado pelo seu trabalho e pelo carnaval. É a prova viva de que para ser uma musa, não é preciso apenas corpo, ou samba no pé. É preciso paixão.


No nosso próximo encontro, eu estarei batendo um papo com ele que, não apenas pensa no figurino, mas em todo o projeto de carnaval da escola. O mestre dos traços, Gugu Lacerda. Até a próxima!