segunda-feira, 2 de junho de 2014

Moura do Cavaco: O monstro sagrado do Samba!

No mundo os apaixonados e loucos por samba e carnaval são muitos, mas os "tarados e fissurados" pelo samba, estes sim tem de ser respeitados e reverenciados. Certamente se você conhece um pouco da historia do samba em Porto Alegre, já ouviu falar do Moura e tem uma historia dele pra contar! Pra falar mais desta figura, monstro sagrado do samba, convidamos Danielle Teixeira, filha do músico, para escrever um pouco desta pérola do samba gaúcho.

Um apaixonado pelo samba

Texto: Danielle Teixeira

Morenci da Silva Teixeira, mais conhecido como Moura do Cavaco. Esse cognome lhe foi dado quando criança, por uma vizinha, ela o chamava de “COLÍRIO MOURA BRASIL”, segundo Moura o colírio acabou, o Brasil afundou e o Moura continuou. Moura nasceu na cidade de Rio Grande, no ano de 1944,foi criado na vila do Cedro, onde todos os moradores reuniam-se para apreciar um bom samba, ainda menino e muito curioso, gostava de ouvir os mais velhos, e então foi que veio a vontade de aprender a tocar, o primeiro instrumento que dominou foi o Pandeiro, logo após o violão. Aos 13 anos começou a participar das rodas de samba, e desde então nunca mais parou : “Nasci no samba e essa é a minha paixão”



Em Novembro de 1963 após servir o quartel, Moura muda-se para a capital. Com muita facilidade para fazer amizades, foi logo se entrosando com o pessoal que fazia um samba por aqui, as amizades conquistadas perduram até hoje. Sua trajetória dentro da música ensinou-lhe que a humildade é o ponto de partida para tudo nessa vida. Moura gostava muito do som do cavaquinho, e achava bacana um instrumento de tanta importância, ser tão pequeno, então resolveu aprender a tocar, e foi aí que percebeu que a sua verdadeira paixão era o cavaquinho, nasce então o Moura do Cavaco.

Em 1975 fundou o Grupo Tempero do Samba, que embalou as noites da Capital, participou do Grupo Pagode do Dorinho ao lado de seus amigos Cleber e Everton. Não podemos deixar de falar da tamanha paixão pela Imperadores do Samba, conheceu a escola através de seu irmão Ademir Cavalo, o mesmo foi passista então conhecia muitos personagens do carnaval de Porto Alegre. Em um determinado dia Moura foi encontrar seu irmão na quadra da Imperadores, Moura relata que ao chegar na quadra logo sentiu uma boa vibração, e logo começou a participar da escola a paixão pelo carnaval veio a todo vapor.



Em 1982 Moura do Cavaco ficou conhecido como “O Editor Maldito”, pois o mesmo havia criado o famoso FOLHETIM DO ZAIRE, que tinha com o objetivo informar o pessoal do que estava acontecendo no mundo do samba, e destacar figuras novas, Moura sempre teve um olhar crítico sobre as coisas, e por isso foi lhe dado esse codinome, ficou conhecido por muitas pessoas e cada vez mais evidenciado. No Ano de 1985 veio um convite inesperado, o falecido Betinho que na época era presidente da Imperadores o convidou para ser diretor de harmonia da escola, e com muito orgulho e amor o grande Moura abraçou a causa, mas devido alguns desentendimentos internos afastou-se. Mas o amor pela nação Vermelho e Branco permanece até hoje. Ao longo de sua caminhada no mundo da música Moura foi aprendendo a tocar os inúmeros instrumentos, e dando uns toques para a moçada que dava inicio nessa carreira.

Atualmente Moura esta residindo na cidade de São Leopoldo, sempre fazendo um samba gostoso de ouvir ao lado de seus amigos, também toca ao lado do nosso querido Tom Astral, e continua levando a alegria com suas brincadeiras e sua sabedoria. Um salve e viva longa ao nosso Moura!