quarta-feira, 25 de junho de 2014

Da Comissão ao Pavilhão...

Paulo Régis se apresentando com a comissão de frente da Imperadores. Foto - Humberto Macedo

Hoje vamos contar mais uma história de vida de quem faz parte e ama o nosso carnaval gaúcho. Paulo Régis Rodrigues da Silva, 20 anos, começou no carnaval na comissão de frente da União da Vila do Iapi, dois anos se passam e ele chega até a Imperadores do Samba, o bailarino conta para nós como chegou até escola do povo:
Cheguei até a comissão de frente da Imperadores por meio do Guilherme Perez, o Nego Maya, como era chamado, a gente trabalhava no mesmo lugar, então comecei a conversar com ele. Um dia ele me fez o convite de ir até a resistência do samba, e trocar uma idéia com Fabiano Araujo, o Jefferson. Então fui, chegando lá me apresentei, eles já me conheciam de vista porque eu estava na comissão da Vila do Iapi. Primeira coisa que o Fabiano me disse,  foi que eu era muito baixinho, claro eu com um meu 1,68 esperava o que, porem falou: -  Chega mais aqui com os guri, pra mim ta tranqüilo se tiver uma postura boa e tiver afim de encarar a bateria de ensaios ta tranqüilo.”
Assim Paulo começou sua jornada dentro da Imperadores, foi chegando devagarzinho até conquistar seu espaço dentro da escola. Nos ensaios ele procurava se dedicar cada vez mais, tendo como um privilégio para ele um total apoio de quem lhe ensinava as coreografias:“Foi um clima totalmente diferente, um trabalho realmente de profissionais e quando eu achei que era só ensaios de quadra, logo começou os ensaios de avenida, que se iniciou com as oficinas que Gil Collares e Ju Vicari Sharanya que são coreógrafos da comissão de frente de avenida, nessas oficinas aprimoramos nossas danças e nossa postura teatral, é onde se da inicio a formação de avenida.”
Já estando dentro da comissão de frente da Imperadores do Samba, Paulo estava se sentindo muito feliz, para ele seria um sonho ter chegado onde chegou, pois a comissão onde ele dançava, para ele era a melhor comissão de frente de Porto Alegre.
Como se não bastasse tanta alegria, ele ainda estava dentro da escola que amava, “Sou Imperador até morrer” - diz Paulo. Logo quando ele entrou na CFI, ele fez uma brincadeira com seus companheiros... “Vou ganhar tudo que tenho direito e vou virar Mestre Sala.”, mas ele não imaginava que aquela brincadeira hoje mudaria sua vida dentro do carnaval.
Desfile do Carnaval 2014 Foto - Reprodução/arquivo pessoal
Paulo sempre foi apaixonado pelo bailado de um casal de MS & PB:  “Sempre achei a dança do casal de Mestre Sala e Porta Bandeira muito interessante, aquilo me chamava muito atenção, ficava me imaginando fazendo o que o Chula, Marcelinho, Gustavo Tiriri, Tika  e outros Mestre Salas, e eu sempre ficava tentando fazer.”
Um certo dia de ensaios da Imperatriz Dona Leopoldina, Paulo estava com seu amigos, e uma amiga, a porta bandeira Fran Silva. Os dois começaram a dançar e imitar passos como se fosse um casal de Mestre Sala e Porta Bandeira, foi dai que Fran  o uestiinou: - Porque tu não tenta ser um Mestre Sala ? E ele prontamente respondeu:  - Eu ainda vou ser !
Depois daquele “ensaio” um ano se passou e Fran Silva faz uma proposta para Paulo, o convida para fazer casal com ela.  “Parei, pensei, refleti e pensei novamente, poxa eu vou largar minha escola do coração pra ser Mestre Sala, pedi ajuda pra vários amigos meus pra ver o que eles achavam, todos falaram, é uma baita oportunidade. Então respondi pra Fran, claro que aceito, vamos encarar.”
Aceitando o convite Paulo tinha que dar um jeito de se desligar da comissão de frente da Imperadores, pois ainda fazia parte dela e não foi fácil...  “Cheguei primeiramente no cara que me aceito na comissão, expliquei a situação, e ele me desejou boa sorte, no outro dia ele falou pro pessoal da comissão que eu estava me afastando pra seguir novos passos.”
Paulo Régis e Fran Silva casal de Mestre Sala e Porta Bandeira de Império da Zona norte
Foto - Reprodução/arquivo pessoal

Hoje o casal de mestre Sala e porta bandeira  Paulo Régis e Fran Silva defendem o segundo pavilhão do Império da Zona Norte, eles foram os mais recentes contratados da escola. “Estou bem empolgado com toda a situação. É uma coisa nova pra mim, hoje estou na Família Imperiana, claro não é minha escola do coração mais é como um jogador de futebol que é colorado ou gremista e vai jogar no rival, nem por isso vai deixar de jogar bem, vai dar o seu máximo dentro de campo, da mesma forma acontece comigo, e com muitos dentro do carnaval de Porto Alegre. Hoje só tenho a agradecer a comissão da Imperadores, e a Fran que esta apostando em mim e a todos que me desejam boa sorte.
Esta história, nos mostra claramente que sempre que realizamos um sonho na nossa vida aparecerão muitas oportunidades geradas da nossa felicidade, temos que estar preparado pra tudo dentro do carnaval, e na vida... e nos abraçar com toda força e esmero nas oportunidades que nos ferem dadas...