segunda-feira, 19 de maio de 2014

Frente Parlamentar do Carnaval discutirá a situação de algumas quadras de escolas de samba

Carnaval é tema do debate - Foto Fábio Cruz/Setor 1
No próximo dia 27 de maio, às 19h, será realizada a primeira reunião da Frente Parlamentar em Defesa da Cadeia Produtiva do Carnaval, na sala 301 da Câmara de Vereadores de Porto Alegre. Na pauta, a situação de algumas quadras de escolas de samba de Porto Alegre. Devem participar, além do presidente, vereador Delegado Cleiton, representantes da Prefeitura, da Liga Independente das Escolas de Samba do Grupo Especial de Porto Alegre (Liespa), da Associação das Entidades Carnavalescas de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul (Aecpars), além de sambistas, passistas, músicos e da cadeia do setor.
A Frente tem como finalidade qualificar a festa e abrir uma perspectiva política, além de servir de canal de comunicação entre o Executivo, Legislativo e sociedade, incentivando a participação popular.  “A meta é discutir o Carnaval de Porto Alegre, revitalizá-lo e torná-lo um dos melhores do país”, sustenta o vereador Delegado Cleiton. O parlamentar defende a valorização de todos que fazem parte do espetáculo, principalmente aqueles que atuam nos bastidores.
“Nossa meta é tornar o Carnaval da cidade auto-sustentável, buscar ideias que permitam o evento ser uma fonte solidificada de economia, com geração de emprego e renda o ano inteiro, além de buscar alternativas para que o Complexo Cultural do Porto Seco seja ocupado e com segurança”, observa. A Frente do Carnaval tem apoio do prefeito José Fortunati. “Estamos juntos e também desejamos qualificar o nosso carnaval. Nossas escolas de samba têm profundas raízes em cada comunidade, e a Câmara terá o papel de propor ações e pensar no Carnaval durante todo ano”, observou Fortunati. O prefeito lembrou que o grande desafio é transformar o Complexo Cultural Porto Seco em um centro de eventos.
O que é a Frente Parlamentar - As frentes parlamentares são constituídas por iniciativas de membros do legislativo municipal que, independentemente de partido político, formam equipes para atuar de forma unificada em função de interesses coletivos da cidadania. 
Frente Parlamentar em Defesa da Cadeia Produtiva do Carnaval - Com a criação da Frente Parlamentar em Defesa da Cadeia Produtiva do Carnaval será consolidado um importante fórum de discussão sobre o tema, além de ser organizada uma força legislativa capaz de abrir uma nova perspectiva política para o setor. A Frente Parlamentar servirá, também, de canal de comunicação entre o Legislativo e a sociedade, incentivando a participação popular, bem como ouvirá dos gestores e colaboradores de escolas as propostas para tornar o Carnaval de Porto Alegre um evento fortalecido.
Quem participa - Está aberto a todos que desejarem participar e apresentar sugestões. Associações, Liga das Escolas, sindicatos, carnavalesco, entidades organizadas, e público em geral.
Objetivo
Discutir o Carnaval de Porto Alegre. Revitalizar e o torná-lo um dos melhores do país. Tornar o Carnaval da cidade auto-sustentável, bem como buscar ideias que permitam o evento ser uma fonte solidificada de economia, com geração de emprego e renda todo o ano. Buscar alternativas para que o Sambódromo seja ocupado o ano inteiro e com segurança.
Foco - Complexo Cultural do Porto Seco e Museu do Carnaval
Funcionamento - Última terça-feira de cada mês na Sala das Comissões da Câmara de Vereadores de Porto Alegre – 3º andar, das 18 às 20h.
Desafios - Montagem de Grupos Temáticos por interesse; Promoção de debates visando encaminhamentos; Criação de pauta de reivindicação; Apontamento de prioridades; Definição de papéis e atores; Montagem de cronograma de ações e responsáveis; Encaminhamento de demandas aos órgãos/setores responsáveis; Proposição de agendas positivas; Estudo de viabilidade técnica de diferentes setores. Criação de Museu para guardar e exibir vídeos, fotos, fantasias e réplicas de carros alegóricos das escolas de sambas vencedoras do Carnaval. A intenção é criar um espaço cultural e turístico capaz de receber turistas que chegam a Porto Alegre.

Colaboração: Paulo Ricardo Fontoura