quinta-feira, 29 de maio de 2014

Brunno Lauricella e o seu amor pela dança!

Brunno Lauricella desfilando pela Vila do Iapi. Foto - Arquivo/Setor 1

Quando tinha apenas 11 anos Brunno Lauricella e seus primos tiveram uma grande idéia: queriam montar um “grupinho” de funk, chegaram até criar uma coreografia, porém não conseguiram seguir em frente. Passaram-se alguns anos e já com 14 anos Bruno conta que começou a se interessar  mais pela dança: “Havia um projeto de dança para os alunos no qual eu me interessei a fazer parte por causa do passeio de final de ano. Só que foi tudo diferente eu me apeguei  na dança, eu não tinha nenhum amor por ela  e esse amor foi crescendo. Quando eu entrei eu dançava em 2 coreografias e sempre quis dançar mais e mais e nos ensaios eu sempre me esforçava, sempre querendo ir além do que meu corpo permitia.”
Mais um ano se passou e Brunno estava cada vez mais focado na dança, se dedicando a cada aula que fazia, conquistando elogios de sua professora que disse que ele tinha muito potencial, e assim, o colocou em uma categoria avançada do projeto:
“Comecei a ir em apresentações de diversas escolas de Porto Alegre, eventos da Prefeitura e no final do ano eu participava de quase todas as coreografias anualmente onde  a professora  fazia um espetáculo de final de ano.” – Diz o bailarino.
Foto - Reprodução/arquivo pessoal

A professora de Brunno depositou toda a confiança nele, em relação ao projeto, passou anos ali. Sendo que se formou e mesmo assim ali continuava, más não queria sair mais. Algum tempo se passou e houve alguns problemas sérios no projeto.  A professora perdeu 40 horas de aula e teve que substituir uma professora de física que tinha se aposentado, foi ai que o projeto estava indo por água abaixo, mas Brunno não queria desistir, viu que o que ele queria pra vida dele era DANÇAR. Um tempo se passou e jovem encontrou alguns amigos que dançavam no projeto junto com ele: “Resolvemos montar um grupo de Hip Hop, porque no local onde eu morava não havia mais projetos de dança ou algo do tipo. Montamos coreografias, tínhamos um espaço para ensaios, marcávamos de nos apresentar na escola onde eu estudava. Íamos nos apresentar com o nome do nosso grupo que era: Brother’Z  e  não o nome do projeto que fazíamos parte.”
 O grupo de Brunno fez só uma apresentação, formado por 5 bailarinos. Dois integrantes do grupo tiveram de sair e assim, resolveram mudar o nome para Hot Boys, apresentavam-se em outras escolas no bairro onde moravam, tornando-se um sucesso.  Ele conta que tudo se acabou e que teve novas chances na dança.
 Dançar sem preconceitos...
 “Paramos nossos ensaios porque não estava mais indo bem, e ainda éramos leigos na dança. Em 2011 eu recebi um convite de outro grupo que era composto por amigos meus também, só que eu tive um pouco de preconceito de entrar nesse grupo, porque trabalhava com danças gays. Foi com eles que eu comecei a desenvolver minha dança, eles trabalhavam com Jazz, Funk, aí fui desenvolvendo meu trabalho. Logo após, no mesmo ano tive minha primeira apresentação com eles no Teatro São Pedro, começamos a crescer juntos porque o grupo estava no inicio.”
foto - Reprodução/arquivo Pessoal
Daí por diante que o grupo foi se destacando, começando a se apresentar em diversos lugares de Porto Alegre. Em 2012, já estavam bem conhecidos na cidade, e foi inscrita para participar de competições de dança pelo Rio Grande Do Sul. Composto por 5 componentes, a primeira competição do grupo na cidade de Pelotas, não teria sido ali uma grande apresentação, mas o grupo os não desanimaram e correram atrás para se aprimorar ainda mais na dança.  No final de 2012, participaram de competições em Porto Alegre, sagrando-se campeões de um festival de dança.
 Bruno fala como foi ganhar o primeiro titulo: “Ficamos conhecidos não só em Porto alegre, mas em alguns municípios do Rio Grande Do Sul. Nos estúdios de dança também, mudamos nosso estilo de dança para Waacking e Vogue Dance dois estilos gays de dança de rua americanos.” – Fala orgulhoso sobre o grupo que anos após o elegeu diretor.
 O carnaval convida Brunno pra dançar...
 “Em 2013 eu entrei na ala Balanço da ginga quando estava no Império da Zona Norte. Depois veio a Comishow que são verdadeiros irmãos pra mim. O carnaval é uma arte que também mexe muito comigo, me encanta. Ensaios, reuniões, tudo isso me fascina e hoje já não consigo mais viver sem... Hoje sou bailarino na comissão de frente Comishow, bailarino, diretor e coreografo no grupo New Style, sou bailarino no estúdio Ballet Elizabeth Santos e professor, bailarino e coreografo na ala Balanço da ginga, mas ainda quero elevar mais e mais meus conhecimentos na dança.”
 Força de vontade, humildade e talento povoam a historia de Brunno e a dança! Tudo aquilo que você faz por amor certamente o resultado saíra com excelência. Dançar libera a mente de pensamentos negativos, é bom para a saúde, faz bem para o corpo e relaxa das tensões diárias! Ta esperando o que? Faça como o Brunno, dance você também!